Talebans anunciam retirada da cidade afegã de Kunduz

O recuo tático após dias de batalhas ocorre num momento em que os talibãs fazem um impulso sem precedentes para conquistar grandes cidades em várias províncias

O grupo Taleban informou nesta terça-feira que se retirou de Kunduz, duas semanas após a impressionante tomada da cidade do norte do Afeganistão que marcou sua maior conquista militar em 14 anos de guerra.

O recuo tático após dias de batalhas nas ruas ocorre num momento em que os Talebans fazem um impulso sem precedentes para conquistar grandes cidades em várias províncias.

O anúncio do grupo foi feito muito tempo depois de o governo ter informado sobre a recaptura de Kunduz, onde os insurgentes incendiaram edifícios governamentais, mataram a tiros adversários e libertaram centenas de prisioneiros.

O Taleban disse aos seus combatentes para saírem da cidade com o objetivo de economizar munição e proteger as vidas de civis, informou o grupo em seu site.

O grupo “ordenou que seus mujahedines saiam da praça central, dos mercados e dos prédios do governo para as zonas rurais periféricas… a fim de reforçar suas linhas de defesa e reservar a sua força para as futuras operações eficazes”, declarou.

Os soldados afegãos, apoiados pelas forças especiais da Otan, vasculhavam a cidade para expulsar grupos de insurgentes escondidos nas casas de civis.

Com a diminuição dos combates, os moradores voltam pouco a pouco a sair de suas casas após dias difíceis, nos quais sofreram com escassez de alimentos, de água e cortes de eletricidade.

A queda de Kunduz no dia 28 de setembro foi um forte golpe para as forças afegãs, treinadas pelo Ocidente, que têm lutado na maior parte das vezes por conta própria desde o fim da missão de combate da Otan, em dezembro.

Com a disseminação dos confrontos em províncias próximas, como Badakhshan e Takhar, aumentam as preocupações de que o ataque à cidade tenha sido apenas o primeiro passo de uma nova e mais ousada estratégia da insurgência no país.

Cerca de 2.000 insurgentes Talebans ameaçaram invadir Ghazni na segunda-feira, desencadeando violentos confrontos ao redor dos subúrbios da cidade do sudeste do país.

As forças afegãs repeliram o ataque, mas ele demonstrou o perigo da insurgência, que ameaça grandes centros urbanos pela primeira vez em 14 anos.