Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,67 -0,12%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,95% 63.257 pts
Pontos 63.257
Variação 0,95%
Maior Alta 5,04% SMLE3
Maior Baixa -3,99% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 17:20 FONTE

Taiwan alerta para ameaça em meio a exercícios navais da China

China deu poucos detalhes sobre o que o porta-aviões Liaoning, construído pelos soviéticos, irá fazer além de dizer que realiza um exercício de rotina

Taipé – Taiwan alertou nesta terça-feira que “a ameaça de nossos inimigos está crescendo dia a dia” enquanto navios de guerra da China, liderados pelo único porta-aviões do país, rumaram em direção à ilha-província de Hainan através do Mar do Sul da China em meio a um exercício militar.

A China deu poucos detalhes sobre o que o porta-aviões Liaoning, construído pelos soviéticos, irá fazer além de dizer que realiza um exercício de rotina.

Taiwan disse que a embarcação contornou águas nos arredores de sua zona de identificação de defesa aérea do leste.

O porta-aviões deve aportar em uma base militar chinesa de Hainan, no sul do país, nesta terça-feira, informou o Ministério da Defesa de Taiwan.

O exercício ocorre em meio a uma escalada na tensão a respeito de Taiwan, que os chineses reivindicam como seu território, o que não lhe possibilita ter relações de Estado a Estado, na esteira de um telefonema do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, à presidente da ilha, um acontecimento que irritou Pequim.

“A ameaça de nossos inimigos está crescendo dia a dia. Devemos manter sempre nossa prontidão de combate”, disse o ministro da Defesa taiwanês, Feng Shih-kuan. “Precisamos fortalecer o treinamento (de nossos soldados) para que possam não só sobreviver em batalha, mas também destruir o inimigo e cumprir a missão.”

Feng fez os comentários durante um discurso em um evento da pasta realizado nesta terça-feira para comemorar a promoção de oficiais militares de alto escalão.

A Força Aérea chinesa realizou manobras de longo alcance neste mês sobre os mares do Sul e do Leste da China, inquietando Japão e Taiwan. Pequim afirmou que estes exercícios também foram rotineiros.

A China reivindica a maior parte do Mar do Sul da China, através do qual cerca de 5 trilhões de dólares em mercadorias circulam a cada ano. Os vizinhos Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã têm reivindicações semelhantes.

O Pentágono não comentou diretamente o exercício mais recente, mas disse que os EUA reconhecem o uso legal de espaço aéreo e marítimo de acordo com a lei internacional.

“Continuamos a monitorar atentamente os desdobramentos na região. Não temos comentários específicos sobre as atividades navais recentes da China, mas continuamos a observar uma gama de atividades militares chinesas em curso na região”, disse o porta-voz do Pentágono, Gary Ross, à Reuters.