Suspeito de ataque em Berlim é morto em Milão

De acordo com fontes, o suposto terrorista chegou ao bairro milanês de Sesto San Giovanni a bordo de um trem procedente da França

Roma – O suspeito do ataque com um caminhão em um mercado natalino de Berlim foi morto durante um tiroteio com a polícia na madrugada desta sexta-feira no subúrbio de Milão, cidade do norte da Itália, disse o ministro do Interior italiano.

“O homem morto era, sem sombra, de dúvida Anis Amri”, disse Marco Minniti em referência ao tunisiano de 24 anos suspeito de ter lançado um caminhão contra o mercado berlinense na segunda-feira, matando 12 pessoas.

Minniti disse aos repórteres que Amri foi abordado por dois policiais perto das 3h (horário local) diante da estação de trem Sesto San Giovanni, ao norte de Milão.

Quando os policiais pediram os documentos de identidade, Amri puxou uma arma e baleou um dos policiais, ferindo-o levemente no ombro. Ele, por sua vez, foi baleado e morreu.

“Estes dois (policiais), extremamente jovens, extraordinários, ao simplesmente cumprirem sua função, prestaram um serviço extraordinário à nossa comunidade”, afirmou Minniti. Um dos dois agentes havia começado no trabalho recentemente e estava no período de teste.

Uma fonte judicial disse à Reuters que a polícia havia recebido uma pista de que Amri poderia estar na área de Milão e que patrulhas adicionais haviam sido enviadas para procurá-lo.

Um bilhete de trem encontrado no corpo de Amri indicou que ele viajou por um trem de alta velocidade da França para Turim, outra cidade do norte italiano, segundo a fonte. Depois ele pegou um trem regional para o subúrbio de Milão.

Minniti forneceu poucos detalhes da operação policial, dizendo que as investigações ainda estão em progresso, e acrescentou que pode haver “desdobramentos futuros”.

O Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelo ataque em Berlim, no qual o caminhão avançou sobre uma multidão e derrubou barracas de madeira que vendiam presentes de Natal e comidas típicas ao lado da igreja memorial Kaiser Wilhelm, no oeste da cidade alemã.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Mario Romano

    no Brasil já viria a Maria do Rosario falar que ele é vítima da sociedade capitalista opressora. Menos 1 pra conta