Soldado russo é morto na província síria de Homs

O soldado, Anton Yerygin, "sofreu ferimentos graves após ser atacado por rebeldes quando escoltava veículos"

Um soldado russo morreu na província síria de Homs depois de ter sido atingido há dois dias por tiros rebeldes, informou um porta-voz da base aérea russa de Hmeimim.

O soldado, Anton Yerygin, “sofreu ferimentos graves após ser atacado por rebeldes quando escoltava veículos do centro de mediação russo entre facções opostas”, informou o porta-voz. Após dois dias internado, o militar faleceu.

Nesta quarta-feira, as forças sírias combatiam os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI), que cortaram uma estrada estratégica entre Homs e Palmira, poucos dias depois da reconquista da cidade histórica.

No norte do país, as forças do regime e os rebeldes bombardearam na terça-feira à noite vários subúrbios da cidade de Aleppo, apesar da trégua temporária em vigor até a meia-noite desta quarta.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), o EI “cortou a estrada entre Homs e Palmira perto do aeroporto militar de Tiyas, após um ataque iniciado no leste de Homs”.

As duas cidades são controladas pelo regime de Bashar al-Assad. No final de março, suas tropas, com o apoio da aviação russa, conseguiram retomar o controle de Palmira, conhecida como “a pérola do deserto”, inscrita pela Unesco no patrimônio mundial da humanidade.

Para comemorar a vitória, Moscou e Damasco organizaram na semana passada vários concertos no anfiteatro da cidade antiga.

“O fechamento da estrada é a ação mais contundente do EI desde que o exército retomou Palmira” em 27 de março, declarou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

“Intensos combates estão em andamento entre as forças do regime e o Daesh (acrônimo em árabe do EI)”, acrescentou.

“O Daesh cerca Palmira por todos os lados, salvo no sudoeste”, informou.

Na mesma região, uma fonte militar síria afirmou à agência de notícias Sana que a aviação havia bombardeado o EI perto do campo de extração de gás de Shaer, ao noroeste de Palmira, nas mãos dos jihadistas desde quinta-feira.

Já no leste do país, na província de Deir Ezzor, um ataque aéreo do regime matou ao menos sete civis.