Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,66 -0,02%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,76% 63.766 pts
Pontos 63.766
Variação 1,76%
Maior Alta 6,68% SMLE3
Maior Baixa -3,53% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 14:19 FONTE

Sobe para 33 número de mortos por ingestão de loções na Rússia

O prefeito de Irkustk declarou estado de emergência na cidade e anunciou a proibição provisória da venda de líquidos que contêm álcool

Moscou – Pelo menos 33 pessoas morreram na cidade siberiana de Irkutsk por ingerir supostamente uma loção para banho à base de álcool, informaram nesta segunda-feira os serviços e emergências local.

“Segundo os últimos dados, foram hospitalizadas 54 pessoas com sintomas de intoxicação, das quais 34 morreram”, informou o Departamento regional do Comitê de Instrução da Rússia (CIR).

O prefeito de Irkustk, Dmitri Berdnikov, declarou estado de emergência na cidade e anunciou a proibição provisória da venda de todos os tipos de líquidos que contêm álcool, se não forem bebidas alcoólicas certificadas.

Por sua vez, o Comitê de Instrução da Rússia deu início a um caso penal, embora as informações destacam que o rótulo de dito produto indica claramente que sua ingestão é proibida.

Segundo as autoridades locais, o número de vítimas mortais pode aumentar porque outras 16 pessoas intoxicadas se encontram hospitalizadas e os médicos temem por suas vidas.

Segundo a imprensa local, devido à profunda recessão da economia russa desde 2014, os russos com menores ingressos não podem se permitir comprar vodca legal e consomem maciçamente produtos que incluem álcool, como colônias e loções.

Isto aumenta o número de intoxicações mortais, especialmente nas férias natalinas, quando dispara o consumo de álcool.

Perante a gravidade das intoxicações em Irkustk, o primeiro-ministro da Rússia, Dmitri Medvedev, ordenou endurecer o controle sobre a comercialização de todos os produtos que contêm álcool.

“Sem dúvida, é uma tragédia terrível. Trata-se de um problema que é bem conhecido. O presidente (Vladimir Putin) foi informado e, claro, esta situação requer muita atenção e a adoção de medidas”, disse à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.