Síria acusa “grupos terroristas” por massacre em Treimsa

Segundo o regime sírio, esses grupos agiram em cooperação com "meios de comunicação sedentos por sangue"

Damasco – As autoridades sírias atribuíram nesta sexta-feira a responsabilidade do massacre em Treimsa, ocorrido na quinta-feira no centro do país, aos “grupos terroristas”, assim como aos “meios de comunicação sedentos de sangue”, segundo a agência oficial SANA.

“Os meios de comunicação sedentos de sangue em cooperação com os grupos terroristas armados cometeram um massacre entre os habitantes da aldeia de Treimsa, na região de Hama, para tentar mobilizar a opinião pública contra a Síria e seu povo e provocar uma intervenção estrangeira na véspera da reunião do Conselho de Segurança” da ONU, afirma a SANA.

Esses meios de comunicação “estavam em pé de guerra em Istambul, Paris, Londres, Bruxelas e Berlim, e em outros locais para esta campanha de incitação contra a Síria e para jogar com o sangue sírio”, acrescentou a SANA.

As autoridades sírias criticam regularmente os canais via satélite árabes Al-Jazeera e Al-Arabiya, acusando-os de fazer o jogo de países do Golfo, como Qatar e Arábia Saudita, opostos ao regime de Bashar al-Assad.

As tropas governamentais que bombardearam na quinta-feira a localidade de Treimsa com tanques e helicópteros deixaram mais de 150 mortos, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, uma organização não governamental com sede na Grã-Bretanha.