Salman Ben Abdel Aziz, o novo rei da Arábia Saudita

Novo rei ganhou visibilidade nos últimos anos ao presidir o Conselho de Ministros com frequência e representar o rei Abdullah no exterior

Riad – O príncipe Salman Ben Abdel Aziz, de 79 anos, novo rei da Arábia Saudita, tem fama de probidade e é considerado um negociador respeitado na família Real.

Príncipe-herdeiro desde junho de 2012, Salman ganhou visibilidade nos últimos anos ao presidir o Conselho de Ministros com frequência e representar o rei Abdullah no exterior. Por motivos de saúde, o soberano já havia reduzido, consideravelmente, suas atividades públicas.

Também era vice-primeiro-ministro, cargo que ostentou junto com o de herdeiro ao trono em 2012, com a morte de seu irmão Nayef. Acumulava ainda o posto de ministro da Defesa, desde outubro de 2011.

Número dois do reino, o príncipe Salman multiplicou as visitas ao Ocidente e à Ásia, o que deu dimensão internacional à sua carreira, até 2012 centrada em assuntos domésticos.

Apesar de uma saúde frágil, quis mostrar “sua determinação para ser rei, ou, mais provavelmente, a ambição de seus parentes para que pareça como tal”, comentou o especialista em Golfo Simon Henderson, do Washington Institute.

Seu papel ficou um pouco fragilizado com a decisão anunciada pelo rei Abdullah em março de 2014 de designar Muqrin, o caçula dos 35 filhos do fundador do reino, como futuro príncipe-herdeiro.

Construtor de Riad

Nascido em Riad, em 31 de dezembro de 1935, o príncipe Salman foi governador da capital por cerca de meio século. A maioria das províncias sauditas é dirigida por membros da família Real, com status de ministros.

“Esse posto lhe trouxe experiência, e ele pôde acompanhar a emergência de Riad como capital”, afirmou Eleanor Gillespie, na “Gulf States Newsletter”, baseada em Londres.

Ele é considerado o artífice do desenvolvimento dessa cidade erguida em pleno deserto pela dinastia Al-Saud e por sua transformação em uma cidade moderna.

Seu cargo lhe ofereceu, principalmente, a oportunidade de “desempenhar o papel de árbitro muito respeitado nos assuntos da família Al-Saud”, acrescenta Gillespie, garantindo que o príncipe Salman tem “uma reputação de probidade”.

A especialista Jane Kinninmont, da Chatham House, em Londres, diz que Salman é “considerado relativamente liberal” e pode “adotar um enfoque mais reformista, desde que dentro das limitações e linhas vermelhas do sistema”.

Segundo Jane, ele poderá ter, inclusive, uma atitude “mais construtiva em relação à instabilidade na região, que o príncipe Nayef sempre considerou fruto das ingerências iranianas mais do que expressão de reivindicações locais”.

O príncipe Salman é o 25º filho do rei Abdel Aziz, fundador do reino, e faz parte do clã dos Sudairi, os sete filhos da mesma mãe, Hasa bin Ahmad al-Sudairi, favorita do rei. Entre seus irmãos, estavam o rei Fahd e os príncipes Nayef e Sultan, os três falecidos.

Salman tem problemas de saúde e, em 2010, foi operado de uma hérnia de disco.

Casado três vezes, Salman tem dez filhos vivos. O mais conhecido é o astronauta Sultan Ben Salman, único saudita que participou de uma missão espacial, atual presidente da Comissão de Turismo e de Antiguidades. Outro filho, o príncipe Abdel Aziz, é vice-ministro de Petróleo.