RSF anuncia jovem síria como jornalista do ano

A jovem repórter, cujo país é considerado o mais perigoso do mundo para os jornalistas, foi premiada por sua "deontologia, determinação e coragem"

A jornalista síria Zaina Erhaim, de 30 anos, que trabalha na cidade de Aleppo, devastada há mais de quatro anos pela guerra, foi anunciada como a “melhor jornalista” de 2015 pela organização Repórteres sem Fronteiras (RSF).

A jovem repórter, cujo país é considerado o mais perigoso do mundo para os jornalistas, foi premiada por sua “deontologia, determinação e coragem”, assim como por sua capacidade de “destacar a dimensão humana nos corredores da guerra”, destacou a RSF.

O prêmio foi entregue ao tio da jovem em uma cerimônia em Estrasburgo (nordeste da França), na presença do secretário-geral do Conselho da Europa, Thorbjørn Jagland.

Nos últimos dois anos, Zaina Erhaim formou uma centena de pessoas em jornalismo para TV e para a imprensa escrita, o que contribuiu para a criação de novas publicações na Síria.

O jornal turco Cumhuriyet foi premiado como o “melhor meio de comunicação”. A RSF destacou que o jornal “paga o preço por seu jornalismo independente e corajoso” em um país no qual “a repressão crescente castiga as vozes críticas”.

O prêmio de “jornalista cidadão” foi concedido a um coletivo de blogueiros etíopes, Zone9, que “denunciam regularmente o regime liberticida” que governa Adis Abeba.

Seis blogueiros do grupo passaram recentemente de 15 a 18 de meses em detenção, acusados de planejar ataques terroristas. Vítimas da “perseguição incessante das autoridades”, detidos em abril 2014, eles foram libertados em julho e outubro.

Nenhum blogueiro teve condições de comparecer a Estrasburgo para receber o prêmio.