Refugiados norte-coreanos na Coreia do Sul crescem 10,9% em 2016

No total, 1.414 norte-coreanos chegaram ao Sul no ano passado, frente aos 1.275 que o fizeram em 2015

Seul – O número de refugiados norte-coreanos que chegaram à Coreia do Sul em 2016 superou em 10,9% o total do ano anterior, segundo os dados divulgados nesta terça-feira pelo Ministério da Unificação.

No total, 1.414 norte-coreanos chegaram ao Sul no ano passado, frente aos 1.275 que o fizeram em 2015.

O Ministério da Unificação sul-coreano considera que o aumento se explica porque a pressão internacional, em forma de sanções econômicas contra o regime de Pyongyang por seus testes armamentistas, impulsionou um maior número de diplomatas e trabalhadores norte-coreanos no exterior a desertar.

Exemplo disso é o caso dos 13 funcionários de um restaurante do governo norte-coreano na China que desertaram em bloco em abril ou o pedido de asilo de Thae Yong-ho, número dois da embaixada do regime no Reino Unido que se refugiou na Coreia do Sul com sua mulher e seus dois filhos.

Trata-se da primeira vez que o número de refugiados aumentou desde 2011, data na qual Kim Jong-un chegou ao poder.

O recorde histórico de refugiados aconteceu em 2009 com 2.914 casos, mas a chegada do jovem Kim reduziu o número graças a um controle reforçado da fronteira com a China, principal via de escape dos norte-coreanos.

O número total de cidadãos da Coreia do Norte que desertou ao Sul ascende a 30.208 até o momento.

As duas Coreias permanecem ainda tecnicamente em guerra já que o conflito que travaram entre 1950 e 1953 terminou com um cessar-fogo ao invés de um tratado de paz.