Rebeldes querem usar freiras sequestradas como escudos

Os rebeldes sírios querem usar as religiosas sequestradas em seu convento em Maalula, norte de Damasco, como escudos humanos, acusa jornal

Damasco – Os rebeldes sírios querem usar as religiosas “sequestradas” em seu convento em Maalula, norte de Damasco, como “escudos humanos”, acusou nesta quarta-feira o jornal sírio Al-Watan.

“As forças do exército sírio começaram a chegar na região de Maalula para restaurar a segurança, porque centenas de rebeldes semearam o caos na cidade, penetrando através das montanhas e sequestrando 12 freiras sírias e libanesas para leva-las a Yabroud”, uma cidade a nordeste de Maalula, indicou o jornal próximo ao poder.

“Os terroristas irão usá-las como escudos humanos”, acusou.

Yabroud é o próximo objetivo do exército sírio, que com a ajuda do poderoso movimento libanês Hezbollah e combatentes xiitas iraquianos, lidera uma ofensiva para retomar o controle da área estratégica de Qalamoun, ao norte de Damasco, perto da fronteira com o Líbano.

De acordo com a madre superiora do Convento de Saydnaya, Fibronia Nabhane, que conseguiu falar ao telefone com a madre superiora de Maalula, Pelagia Sayyaf, segunda-feira à noite as religiosas “forsam levadas a uma casa em Yabroud e ninguém as incomoda”.

Segundo o núncio apostólico na Síria, o bispo Mario Zenari, as irmãs foram obrigadas por um grupo armado a deixar o mosteiro e seguir pela estrada até Yabroud. O representante do Vaticano não sabia dizer que elas haviam sido sequestradas.

A França expressou sua preocupação quanto as últimas informações “indicando um rapto ou uma saída forçada” das religiosas.


Além disso, “as forças do governo bombardearam durante toda a madrugada desta quarta-feira zonas na cidade de Yabroud, ferindo várias pessoas”, indicou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

“Um oficial do exército sírio foi morto em combates com a Frente Al-Nosra (filiada à Al Qaeda) e batalhões islâmicos no perímetro da cidade de Maaloula”, acrescentou o OSDH.

O papa Francisco orou nesta quarta-feira pelas 12 freiras ortodoxas que foram obrigadas a abandonar seu convento e por toda as pessoas sequestradas nesse país.

Após a audiência geral na Praça de São Pedro, o papa falou das freiras do convento greco-ortodoxo de Santa Tecla em Maalula, levadas a força por homens armados.

“Rezamos por estas freiras e por todas as pessoas sequestradas devido ao conflito. Continuamos rezando e trabalhando juntos pela paz”, afirmou, rezando em seguida uma Ave Maria em latim.

Os rebeldes sírios, incluindo jihadistas da Frente Al-Nosra tomaram na segunda-feira a cidade cristã de Maalula, segundo a OSDH.

Eles já haviam assumido o controle da cidade em 9 de setembro, antes de o exército sírio expulsá-los três dias depois. Desde então, as trocas de tiros são diárias.

Maaloula, localizada 55 km ao norte de Damasco, possui um grande número de igrejas.

É famosa por seus abrigos rupestres que datam dos primeiros séculos do cristianismo. A maioria de seus habitantes cristãos são gregos-católicos que falam aramaico, a língua de Cristo.