Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Rebeldes dizem que autoridades sírias violaram trégua

Segundo o porta-voz de um grupo opositor, "o regime quis aproveitar o cessar-fogo para progredir no terreno e continuou os bombardeios"

Beirute – O grupo opositor Suqur al Sham (Falcões do Levante) denunciou nesta segunda-feira o descumprimento da trégua por parte das autoridades sírias e de seus aliados no vale do rio Barada, que abastece de água Damasco, a capital da Síria, e está perto da fronteira com o Líbano.

O porta-voz dessa facção, Mamoun Hajj Moussa, disse à Agência Efe por telefone que os rebeldes respeitaram o cessar-fogo, iniciado no dia 30 de dezembro em todo o país, mas que o exército e as milícias aliadas ao regime sírio, como o Hezbollah, o descumpriram nessa área.

“O regime quis aproveitar o cessar-fogo para progredir no terreno e continuou os bombardeios, não houve nenhuma mudança após o começo da trégua”, disse Moussa.

O porta-voz do grupo rebelde detalhou que no vale do rio Barada há 13 localidades, das quais dez estão em poder dos insurgentes e três nas mãos das forças governamentais.

A fonte indicou que houve tentativas de negociação para pacificar a região, mas que as partes não chegaram a dialogar.

Moussa revelou que um grupo de moradores do vale se transferiu ontem para um posto de controle em poder das autoridades e de seus aliados com uma proposta, “mas os russos a rejeitaram”.

O porta-voz acrescentou que “três delegações russas tentaram entrar no manancial de Ain al Fiya, e insistiram que milícias armadas acompanhassem as equipes de manutenção que fariam os reparos nas instalações”, o que os rebeldes rejeitaram.

Desde o fim de dezembro, o fornecimento de água está interrompido na capital devido à violência no vale do rio Barada, algo do qual tanto as autoridades como os insurgentes se acusam mutuamente.

A ofensiva governamental contra essa região começou há 21 dias e continuou apesar da trégua que entrou em vigor no último dia 30, com mediação da Rússia, aliada do governo sírio, e da Turquia, que apoia a oposição.