Dólar R$ 3,27 0,13%
Euro R$ 3,63 -0,15%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,51% 63.761 pts
Pontos 63.761
Variação -0,51%
Maior Alta 3,64% FIBR3
Maior Baixa -2,44% CIEL3
Última atualização 29/05/2017 - 17:21 FONTE

Presidente das Filipinas é acusado de homicídio, tortura e rapto

Homem que disse ter servido de matador para Rodrigo Duterte acusou o presidente de assassinato, sequestro e tortura

Manila – O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, foi acusado nesta sexta-feira de assassinato, sequestro e tortura perante o defensor público por um cidadão que disse ter servido de matador para o líder, quando ele governava a Prefeitura de Davao, no sul do país.

A denúncia contra o chefe de Governo não pode seguir em frente porque ele é protegido pela imunidade contra este tipo de denúncias.

O denunciante é Edgar Matobato, que em setembro declarou ao Senado que fez parte dos “esquadrões da morte” organizados por Duterte como prefeito de Davao para limpar a cidade dos bandidos.

Matobato disse que estes esquadrões foram responsáveis pela morte de “milhares” de pessoas desde que entrou nele, em 1988, até que os deixou, em 2013, segundo o jornal local “Phil Star”.

Duterte governou Davao, que tem uma população de 1,5 milhão de habitantes, durante 22 anos, nos períodos de 1988-1998, 2001-2010 e 2013-2016.

A denúncia de Matobato também inclui Paolo Duterte, filho do presidente e vice-prefeito de Davao desde 2013, e outras 26 pessoas.

A presidência das Filipinas diminuiu a importância destas acusações e as qualificou de manobra política de “assédio” e “distração”, em comunicado.

Os chamados “esquadrões da morte de Davao” foram investigados em várias ocasiões no passado, a última pelo Senado este ano, e nenhum dos processos acabou com uma condenação. EFE