Polícia de Oslo relaciona ataques com “movimentos locais antissistema”

Autoridades acreditam que atentados não estão ligados ao terrorismo internacional; grupo que assumiu a autoria voltou atrás

Berlim – A Polícia norueguesa considera que os dois ataques desta sexta-feira em Oslo e em um acampamento juvenil próximo não podem ser atribuídos ao terrorismo internacional, mas estariam relacionados com “movimentos locais antissistema”.

De acordo com fontes policiais, o suposto agressor do acampamento, no qual morreram pelo menos nove pessoas, estava vinculado com o atentado com bomba registrado no complexo governamental de Oslo, onde foram confirmadas sete vítimas fatais.

A autoria do atentado ocorrido foi inicialmente reivindicada pelo grupo jihadista Ansar al Jihad al Alami, mas a própria organização islamita se retratou depois em um fórum na internet.

O tiroteio ocorreu no acampamento das juventudes social-democratas (UAF), na ilha de Utoya, a cerca de 20 quilômetros da capital, aonde se esperava que fosse neste sábado o primeiro-ministro Jens Stoltenberg.

Nenhum membro do Governo ficou ferido no atentado de Oslo, informou o próprio Stoltenberg por telefone e de um lugar não revelado, por razões de segurança, após qualificar a situação de muito grave.