Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,66 0,08%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,60% 62.662 pts
Pontos 62.662
Variação 1,60%
Maior Alta 9,53% JBSS3
Maior Baixa -1,42% EMBR3
Última atualização 23/05/2017 - 17:20 FONTE

Polícia atropela manifestantes com van nas Filipinas

O furgão da polícia avançou rápido pela multidão, atropelando vários manifestantes, segundo imagens da rede ABS CBN

Uma van da polícia atropelou nesta quarta-feira centenas de pessoas que faziam um protesto ante a embaixada dos Estados Unidos em Manila.

Os agentes das forças policiais também usaram gás lacrimogêneo e cassetetes para tentar dispersar centenas de pessoas que se reuniram em apoio ao presidente Rodrigo Duterte depois de seus recentes comentários de que ele quer romper a aliança do país com os Estados Unidos.

Vinte e três manifestantes foram presos, segundo policial encarregado da operação, Arsenio Riparip.

“Tivemos que dispersá-los. Eles começaram, eles estavam tentando entrar na embaixada”, justificou-se.

“Eles eram em maior número que nossos policiais”, acrescentou.

O furgão da polícia avançou rápido pela multidão, atropelando vários manifestantes, segundo imagens da rede ABS CBN.

Fotos postadas mostram um homem de cabelos grisalhos preso debaixo do carro, com a perna e quadril presos por um dos pneus.

O chefe da polícia de Manila, Oscar Albayalde, confirmou que a patrulha atropelou manifestantes, mas insistiu que não foi culpa do motorista.

“Eles não se afastaram. Os manifestantes tentaram impedir a passagem do carro, então o motorista acelerou e, inadvertidamente, atropelou algumas pessoas, que tiveram ferimentos menores”, alegou.

Uma dos líderes da manifestação, Amirah Lidasan, acusou a polícia de começar as violências.

“Foi a polícia que atacou os manifestantes. Primeiro passaram com o carro por cima das pessoas, depois usaram gás lacrimogênio e agrediram com cassetetes”, contou.

Apesar de Manila ser aliada dos Estados Unidos em termos de defesa, Duterte – eleito em maio com base em uma plataforma de tolerância zero em relação aos crimes – disse que quer que seu país se distancie de Washington.

Ele já se dirigiu de forma indelicada ao presidente Barack Obama e ameaçou que cortar os laços com os americanos porque os Estados Unidos denunciaram que milhares de pessoas foram mortas pela campanha antidrogas de Duterte.