Paris sedia conferência sobre conflito entre Israel e Palestina

A conferência faz parte de uma iniciativa francesa lançada há um ano para mobilizar a comunidade internacional em torno deste intenso conflito

Dois Estados, a única solução para acabar com o conflito israelense-palestino: mais de 70 países vão reafirmar solenemente este compromisso no domingo em Paris, cinco dias antes da posse de Donald Trump, cujas posições sobre o assunto preocupam muitos dos envolvidos no dossiê.

Ridicularizada por Israel, que denunciou uma “farsa”, a conferência faz parte de uma iniciativa francesa lançada há um ano para mobilizar a comunidade internacional em torno de um dos conflitos mais antigos do mundo e encorajar israelenses e palestinos a retomar o diálogo.

A solução de dois Estados (criação de um Estado palestino que coexista em paz com Israel), referência para a maior parte da comunidade internacional, “está em perigo”, advertiu mais uma vez o chefe da diplomacia francesa, Jean-Marc Ayrault, em um artigo publicado nesta sexta-feira nos jornais francês Le Monde e israelense Haaretz.

A colonização israelenses nos territórios palestinos, os atentados palestinos em Israel, frustrações, radicalização do discurso, negociações completamente paralisadas há dois anos… “A cada dia que passa, nos distanciamos ainda mais das perspectivas de uma resolução do conflito”, escreveu Ayrault.

A conferência de domingo, que vai reunir uns 75 países e organizações internacionais (a primeira reunião reuniu 30 países em 3 de junho), não levará a qualquer anúncio concreto, mas a um comunicado que recordará os textos internacionais de referência sobre o conflito israelense-palestino e os princípios aceitos pela comunidade internacional em quase 70 anos.

“Parece ser importante, no contexto atual, que 70 países reafirmem que a solução de dois Estados é a única possível. É tão simples quanto isso, não é mais do que isso. Precisamos que esta posição seja gravada e defendida neste período de incerteza”, explicou um diplomata francês.

‘Sinais negativos’

A conferência de Paris ganha em simbolismo por ser organizada cinco dias antes da posse do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, cuja imprevisibilidade preocupa os diplomatas que trabalham nesta questão explosiva.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ressaltou na quinta-feira que a conferência de Paris era “uma sacudida final do passado, antes do advento do futuro”, ilustrando como a direita de Israel aposta no futuro presidente americano.

Porque, enquanto Washington sempre se manteve aliado de Israel, Trump se mostrou, até o momento, muito mais favorável aos interesses israelenses.

Desta forma, durante a campanha eleitoral, prometeu reconhecer Jerusalém como capital de Israel e mudar a embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém.

Assim, romperia com a histórica política dos Estados Unidos e de grande parte da comunidade internacional, para quem o status de Jerusalém, também reivindicado pelos palestinos como capital de seu futuro Estado, deve ser resolvido através de negociações.

“Seria uma decisão unilateral que poderia reviver tensões no terreno”, afirmou, temeroso, o diplomata francês, ressaltando a incerteza em torno dos anúncios e posições do futuro presidente americano.

“Esperamos febrilmente o tuíte que vai anunciar a decisão de transferir a embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém”, brincou.

Outra preocupação entre os palestinos, favoráveis à internacionalização do conflito. “Todos os sinais são negativos” nos posicionamentos do futuro presidente dos Estados Unidos sobre o conflito, disse recentemente um membro da liderança palestina, Mohammed Shtayyeh.

A conferência de Paris parece ser o último ato de uma série de compromissos em favor de um processo de paz baseado na solução de dois Estados antes do salto no desconhecido que representa o futuro governo dos Estados Unidos.

Um mês antes de sua saída da Casa Branca, a administração Obama surpreendeu sobre a questão ao se abster sobre uma resolução no Conselho de Segurança da ONU condenando os assentamentos israelenses – para desgosto do presidente eleito Trump que pediu o veto de Washington.

Alguns dias mais tarde, em um discurso na forma de testamento político, o secretário de Estado americano, John Kerry, que estará em Paris no domingo, denunciou novamente a colonização e reiterou os parâmetros de referência para a solução do conflito.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Walter Marques

    Judeus vão exterminar os palestinos, tomar o resto de suas terras, Estados Unidos apoiam, e ninguém fará nada contra isso. PONTO FINAL.