Papa beatifica religiosos assassinados em conflito na Colômbia

O pontífice beatificou o bispo Jesús Emilio Jaramillo e o padre Pedro María Ramírez, que morreram devido ao conflito com as Farc

O Papa Francisco beatificou nesta sexta-feira o bispo Jesús Emilio Jaramillo e o padre Pedro María Ramírez, que morreram em diferentes circunstâncias devido à violência política colombiana.

Durante uma missa campal na cidade de Villavicencio, capital de uma região severamente atingida pelo conflito, o papa oficiou uma cerimônia de beatificação, com cantos e harpas, na presença de centenas de milhares de paroquianos.

O bispo Jaramillo morreu em 2 de outubro de 1989 nas mãos do ELN, um movimento de guerrilha inspirado pelo movimento católico da Teologia da Libertação – que o censurava por sua proximidade com os militares.

Pablo Beltrán, chefe negociador do ELN nos diálogos de paz com o governo, descreveu sua morte como um “erro” e pediu “perdão”.

Ramírez morreu em 10 de abril de 1948, um dia após o assassinato do líder liberal Jorge Eliécer Gaitán. O sacerdote teve as mãos amputadas a golpes de machado por seguidores de Gaitán, que acusaram a Igreja de aliar-se a seus adversários conservadores e incitar a morte dos liberais.

Em sua homilia, Francisco disse que os dois religiosos mortos simbolizavam “a expressão de um povo que quer abandonar o pântano da violência e do ressentimento”.

Francisco alertou que a paz na Colômbia fracassará sem um compromisso com a reconciliação entre vítimas e carrascos depois de décadas de violento conflito armado.

“Todo o esforço pela paz sem um compromisso sincero de reconciliação será um fracasso”, afirmou Francisco.