Panamá investiga casas de sócios ligados a escândalo da Odebrecht

Sócios de um escritório de advocacia são acusados de criarem contas offshore que permitiram que a Odebrecht direcionasse propinas para vários países

Cidade do Panamá – Procuradores panamenhos anticorrupção fizeram buscas nas casas de sócios de um escritório de advocacia acusado de criar contas offshore que permitiram que a Odebrecht direcionasse propinas para vários países.

Agentes do Ministério Público do Panamá estiveram nas casas de Ramon Fonseca Mora e Jurgen Mossack, do escritório Mossack-Fonseca. Os dois advogados estão sob custódia para interrogatório desde quinta-feira, quando a sede do escritório de advocacia foi revistado.

Fonseca afirmou que o caso na realidade busca um “bode expiatório” para evitar uma verdadeira investigação sobre quem recebeu propina da construtora.

A Odebrecht admitiu pagar cerca de US$ 800 milhões em propina em toda a América Latina.

No ano passado, o Mossack-Fonseca foi foco do escândalo “Panama Papers”, após milhares de páginas de documentos relacionados a contas offshore terem sido vazados, revelando tentativas de clientes ricos de sonegar impostos em seus respectivos países. Fonte: Associated Press.