Otan e UE defendem maior cooperação sobre defesa europeia

"Não há contradição entre uma defesa europeia forte e uma Otan forte. Na realidade, as duas se reforçam mutuamente", diz o secretário-geral da Aliança Atlântica

A União Europeia e a Otan abriram caminho nesta terça-feira para uma maior cooperação europeia em matéria de defesa, à qual Londres se opõe, uma das prioridades dos países do bloco em um futuro sem o Reino Unido.

“Não há contradição entre uma defesa europeia forte e uma Otan forte. Na realidade, as duas se reforçam mutuamente”, declarou o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, em Bratislava, onde participou de uma reunião de ministros europeus da Defesa.

No dia 16 de setembro passado na capital eslovaca, os países europeus, reunidos sem o Reino Unido, defenderam a intensificação da defesa e da segurança para responder às preocupações de 500 milhões de europeus geradas após a decisão dos britânicos de abandonar o bloco.

O ministro britânico da Defesa, Michael Fallon, reiterou a oposição do Reino Unido a “qualquer ideia de Forças Armadas europeias” e explicou que outros países europeus temem que um exército comum invadiria sua soberania.

“A Otan deve continuar sendo a pedra angular de nossa defesa e da defesa da Europa” e a ideia de uma defesa europeia implica minar a autoridade da Aliança Atlântica, afirmou.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, precisou responder a estas declarações e, em uma coletiva de imprensa, disse que não ouviu “uma só vez a palavra veto, nem a palavra bloqueio, nem a exército”.

Reforçar a defesa europeia é “utilizar (melhor) os instrumentos já previstos nos tratados” europeus, disse Mogherini, impulsionadora da Estratégia Global da UE que busca criar uma sólida indústria europeia de defesa e lutar contra o terrorismo.

Um exemplo destes instrumentos são os “battle groups”, compostos por 1.500 homens em alerta e mobilizados em vinte países europeus, mas que “nunca foram utilizados em dez anos por falta de vontade política”, lamentou a chefe da diplomacia europeia.

E, entre as prioridades identificadas durante a reunião, especialmente nas propostas levantadas por França e Alemanha, figura a capacidade de mobilizar mais rapidamente missões civis e militares. A UE realiza atualmente 17 em todo o mundo, entre elas seis militares.

“A defesa europeia é o desafio para a Europa”, havia dito o chefe de Estado francês, François Hollande, na cúpula a 27 de Bratislava, onde os líderes acordaram medidas econômicas, de segurança e defesa.

A Comissão Europeia exige recursos militares comuns entre países do bloco, complementares aos da Otan, assim como a criação de um quartel-general único e de um fundo europeu de defesa para estimular a indústria militar.

A vontade dos britânicos de abandonar o bloco aumentou as preocupações para uma UE na defensiva desde a crise financeira de 2008 e a mais recente crise migratória, passando pelos atentados terroristas no coração da Europa.

Para tentar dar nova vida a uma UE já abalada, os líderes europeus planejam aprovar as medidas que começaram a debater em Bratislava em uma cúpula em Roma em março por ocasião do 60º aniversário do tratado fundador do projeto europeu.