Os países que lideram o ranking dos melhores sistemas de saúde

A eficácia de cada país foi estabelecida de acordo com o número de mortes que poderiam, em tese, ser evitadas com o acesso rápido a um atendimento eficaz

Andorra, Islândia e Suíça lideram a lista de sistemas de saúde publicada nesta sexta-feira, que destaca um aumento da diferença entre os países mais e menos eficazes desde 1990.

Publicado na revista britânica The Lancet, o estudo tem como base um índice que mede a qualidade e o acesso dos sistemas de saúde.

A eficácia de cada país foi estabelecida de acordo com as taxas de mortalidade de 32 doenças das quais os óbitos podem, em tese, ser evitados com um acesso rápido a um atendimento eficaz (tuberculose, câncer de mama, leucemia, algumas enfermidades cardiovasculares, entre outras).

Entre 1990 e 2015 foram examinados 195 países, com uma pontuação de 0 a 100.

Andorra ficou em primeiro lugar com 95 pontos, seguida por Islândia (94) e Suíça (92). Treze dos 15 primeiros colocados estão na Europa ocidental, como Espanha (8º, com 90) e França (15º, com 88). Os outros dois são Austrália (6º, 90) e Japão (11º, 89).

Estados Unidos ocupam o 35º lugar (81) e o Reino Unido o 30º (85).

No outro lado da lista aparecem Somália (34), Afeganistão (32) e a lanterna, República Centro-Africana (29).

A média dos resultados aumentou consideravelmente desde 1990, passando de 40,7 a 53,7. “No total, 167 países viram o acesso e a qualidade de seus sistemas de saúde aumentar de maneira significativa”, destaca o estudo.

As desigualdades, no entanto, cresceram. A diferença entre o primeiro país da lista e o último era de 66 pontos em 2015 contra 62 em 1990.

O estudo também destaca a diferença entre a eficácia real dos países e aquela que seu nível de desenvolvimento deveria representar normalmente.

Desta maneira, entre os países que registraram um avanço considerável de acesso e qualidade do atendimento médico desde 1990 estão Coreia do Sul, Turquia e China.

Na América Latina, um dos destaques é o Peru, que registrou um avanço de 23,7 pontos entre 1990 e 2015. O estudo aponta alguns fatores que podem influenciar o resultado: melhores condições financeiras do sistema de saúde ou de governança.

Mas há uma grande diferença de rendimento dos sistemas de saúde entre os países latino-americanos.

“Estes resultados parecem uma advertência: o aumento do nível de desenvolvimento não implica necessariamente uma melhora da qualidade e do acesso ao sistema de saúde”, comenta o coordenador do estudo, o professor Christopher Murray, do Instituto de Medidas e Avaliações da Saúde (IHME) da Universidade de Washington.

Desta maneira, a diferença do rendimento real dos Estados Unidos e o que se esperaria é de menos de 10 pontos, resultado que chega a 25 no caso da África do Sul. Ao contrário, para os primeiros países da lista, a diferença é nula.

O estudo foi financiado pela fundação Bill & Melinda Gates.