Dólar R$ 3,28 0,59%
Euro R$ 3,67 0,09%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -1,54% 61.673 pts
Pontos 61.673
Variação -1,54%
Maior Alta 7,00% EMBR3
Maior Baixa -31,34% JBSS3
Última atualização 22/05/2017 - 17:21 FONTE

Opositor pede que Parlamento venezuelano investigue acidente

O dirigente opositor Jesús Torrealba considerou necessário que o Legislativo, de maioria opositora, indague sobre o acidente da Chapecoense

O dirigente opositor Jesús Torrealba pediu nesta segunda-feira ao Parlamento que investigue possíveis responsabilidades na Venezuela em relação à tragédia aérea envolvendo a equipe da Chapecoense.

“Sei que a Assembleia Nacional tem muito trabalho com outros casos de corrupção na Comissão de Controladoria, mas considero que é importante estudar esta situação”, disse Torrealba, secretário-executivo da coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD), em seu programa de rádio.

Torrealba considerou necessário que o Legislativo, de maioria opositora, indague sobre o acidente ocorrido no dia 28 de novembro na Colômbia, que matou 71 pessoas, “porque está envolvido de maneira importante o nome do nosso país”.

Alguns meios venezuelanos publicaram que a companhia Lamia – proprietária do avião – foi fundada em 2009 com capital venezuelano no estado de Mérida, e desde 2014 operava na Bolívia.

Segundo as informações, o então governador de Mérida, Marcos Díaz Orellana; e o atual governador do estado de Nova Esparta, Carlos Mata Figueroa, promoveram a Lamia sem conseguir que pudesse operar na Venezuela por falta de autorização.

“Mas, finalmente, graças ao que parece uma relação política, conseguiram que a Bolívia, o governo de Evo Morales, lhes dessem autorização para operar”.

A principal hipótese para o acidente é a falta de combustível no avião que deveria pousar na cidade de Medellín, onde a Chapecoense disputaria a final daCopa Sul-Americana.

O governo boliviano suspendeu na quinta-feira as operações da Lamia e destituiu altos funcionários do controle aeronáutico.