Operações apreendem grande quantidade de cocaína em portos

Polícia francesa encontrou cerca de 1,4 tonelada de cocaína em um caminhão de assistência do rali Dacar, que tinha chegado por navio desde o Chile

Paris – A polícia francesa encontrou cerca de 1,4 tonelada de cocaína em um caminhão de assistência do rali Dacar, que tinha chegado por navio desde o Chile ao porto de Le Havre, em uma operação internacional que segue aberta e que deteve dois espanhóis e dois búlgaros.

Uma porta-voz policial explicou à Agência Efe que os dois espanhóis, que não tiveram a identidade revelada, foram detidos no centro da França, enquanto os dois búlgaros foram capturados em seu país simultaneamento nesta operação de apreensão de drogas.

Os dois homens capturados na Bulgária aparecem como os organizadores desta tráfico.

A droga, envolvida com uma cobertura tripla de plástico, estava camuflada em pneus que estavam no caminhão de assistência do Dacar, que chegou a Le Havre em um navio procedente de Valparaíso, e que estava sendo acompanhado, disse a porta-voz.

A mesma porta-voz ressaltou que se trata de uma ‘rede internacional’ e que estão previstas mais detenções em vários países.

O preço dos entorpecentes apreendidos poderia representar cerca de 270 milhões de euros no mercado negro.

O ministro francês de Interior, Manuel Valls, esteve nesta manhã na divisão antidrogas da Polícia em Nanterre, nos arredores de Paris, para conhecer os detalhes da operação.

Por sua vez, as autoridades da Bulgária informaram nesta sexta-feira sobre a apreensão ontem da mesma quantidade de cocaína, que tinha como destino o mercado europeu, em um porto do Chile, dentro de uma operação que segue em andamento para desarticular um grupo criminoso búlgaro especializado em narcotráfico.

A apreensão da droga foi o resultado de uma operação conjunta entre as forças de segurança búlgaras e francesas, apresentada hoje em entrevista coletiva em Sófia pelo secretário-geral do Ministério Interior búlgaro, Svetlozar Lazarov, e o embaixador francês no país balcânico, Xavier Lapeyre de Cabanes.

Segundo Lazarov, o grupo criminoso era controlado por cidadãos búlgaros e após o Ministério do Interior receber a informação no princípios deste mês da iminente entrega da droga, informou a seus parceiros europeus para lançar a operação.

A droga, procedente da Bolívia, estava escondida em pneus de reposição ocultos em um caminhão situado no porão de um navio de bandeira francesa no porto de Valparaíso (Chile), a ponto de partir rumo a Le Havre (França), para ser distribuída pela Europa ocidental, segundo informaram à Agência Efe fonte do Ministério búlgaro do Interior.

A operação segue em andamento e os investigadores querem estabelecer desde quando funciona esse canal de narcotráfico e se houve anteriores envios de droga à Europa.