ONU exige por ampla maioria fim do massacre na Síria

A medida, redigida pelo Canadá, foi aprovada por 122 votos contra 13 na Assembleia, integrada por 193 países, com 36 abstenções

A Assembleia Geral da ONU aprovou nesta sexta-feira, por ampla maioria, uma resolução que reivindica um cessar-fogo imediato na Síria e a entrega urgente de ajuda humanitária, depois que as forças de Bashar al-Assad lançaram um novo ataque em Aleppo.

A medida, redigida pelo Canadá, foi aprovada por 122 votos contra 13 na Assembleia, integrada por 193 países, com 36 abstenções. Rússia, China e Irã foram alguns dos países que se opuseram.

A votação ocorreu pouco depois que as forças leais ao presidente sírio realizaram novos bombardeios sobre Aleppo.

A ONU informou que centenas de pessoas estão desaparecidas após tentarem fugir da cidade.

“Esta votação é para elevar a voz e dizer à Rússia e a Assad para pararem com essa carnificina”, assinalou a embaixadora dos Estados Unidos, Samantha Power, antes da medida ser aprovada.

“Esta votação é para defender os princípios fundamentais de como devem atuar os Estados, inclusive durante a guerra”, afirmou.

Power pediu à Síria e a seus aliados que permitam aos civis abandonar o leste de Aleppo e que deem aos rebeldes em combate saídas seguras da cidade.

“Não os enviem às prisões do regime para serem torturados”, insistiu a diplomata americana.

O embaixador russo, Vitaly Churkin, acusou os Estados Unidos de usarem “uma retórica agressiva” e disse que a resolução tem “grandes falhas” ao não enfatizar a necessidade de lutar contra grupos terroristas.

Líbano, Iraque, África do Sul, Nigéria e Índia foram alguns dos países que se abstiveram.

A resolução exige “pôr fim completamente aos ataques contra os civis” e um cessar-fogo imediato.

Além disso, reivindica a retirada de todos os cercos, assim como um “acesso rápido, seguro, prolongado, sem obstáculos e incondicional à ajuda humanitária” em todo o país.

Rússia e China vetaram esta semana um projeto de resolução do Conselho de Segurança para estabelecer um cessar-fogo de sete dias em Aleppo, que está a ponto de cair nas mãos das tropas governamentais.

Essa foi a sexta vez que Moscou – um dos aliados mais firmes de Assad – usou seu poder de veto para bloquear uma ação na Síria.

Mais de 300 mil pessoas morreram desde o início do conflito em março de 2011 e quase metade da população está deslocada, fazendo com que milhões de cidadãos se tornem refugiados.