Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,65 -0,44%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Odebrecht: Oposição quer impeachment de vice do Equador

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos afirmou que a Odebrecht pagou aproximadamente US$ 788 milhões em subornos em 12 países

Quito – Um movimento da oposição no parlamento do Equador, Creo, anunciou nesta sexta-feira que está recolhendo assinaturas para abrir um processo de impeachment contra o vice-presidente do país, Jorge Glas, supostamente envolvido no esquema do pagamento de subornos pagos pela Odebrecht.

O deputado Diego Salgado, um dos líderes do Creo, disse que a medida busca levar Glas a um impeachment na Assembleia Nacional pelo fato de o vice-presidente ter sido responsável por projetos em setores estratégicos, alguns envolvendo propina da companhia.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos afirmou que a Odebrecht pagou aproximadamente US$ 788 milhões em subornos em 12 países da América Latina e da África, incluindo o próprio Brasil.

O relatório indica que no Equador, entre 2007 e 2016, a empresa fez pagamentos de US$ 35,5 milhões a “funcionários do governo”, o que gerou um lucro de US$ 116 milhões.

Salgado disse que Glas, como responsável pelos projetos de setores estratégicos do país, deve informar tudo o que sabe sobre propinas aos servidores equatorianos pagos pela Odebrecht. O deputado exige também que o vice-presidente esclareça outro caso de corrupção envolvendo a estatal Petroecuador.

O representante do movimento Creo disse que precisa de 27 assinaturas para abrir o processo de impeachment contra o vice-presidente. Apesar de o Congresso ser dominado pelo governo, Salgado disse acreditar que irá receber o apoio necessário.

“Será complicado que isso prospere rapidamente”, disse o deputado, lembrando, porém, das eleições presidenciais e legislativas marcadas para o próximo dia 19 de fevereiro, em que Glas tentará a reeleição como vice-presidente.

A Constituição do Equador prevê que o parlamento pode cassar o mandato do presidente ou do vice apenas por crimes contra a segurança do país, além de peculato, enriquecimento ilícito, genocídio, tortura, sequestro e homicídio por razões políticas.

O parlamentar pediu que a Comissão de Fiscalização da Assembleia Nacional convoque Glas a prestar depoimento nas investigações sobre o caso Odebrecht, uma solicitação em que também incluiu o presidente do país, Rafael Correa.