Obama e Putin conversarão hoje sobre a situação na Ucrânia

Obama prevê dizer a Putin que interessa à Rússia que a violência termine na Ucrânia, da mesma forma que aos EUA, de acordo com Carney

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o líder russo, Vladimir Putin, conversarão nesta sexta-feira por telefone sobre a situação na Ucrânia após a assinatura de um acordo entre o governo de Kiev e os líderes opositores para pôr fim à violência nesse país.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, informou em sua entrevista coletiva diária que Obama estava “a ponto de falar” com Putin e que a residência presidencial divulgará depois um comunicado com os detalhes dessa conversa.

Não é habitual que a Casa Branca relate antecipadamente as conversas telefônicas que Obama terá com outros chefes de Estado.

Obama prevê dizer a Putin que “interessa” à Rússia que a violência termine na Ucrânia, da mesma forma que aos EUA, de acordo com Carney.

O porta-voz negou, por outro lado, que esteja ocorrendo uma situação de “Guerra Fria” entre as potências ocidentais e Rússia em torno da crise na Ucrânia.

O ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, rejeitou na quinta-feira as ameaças da Europa e Estados Unidos de sancionar às autoridades da Ucrânia, ao mesmo tempo que lhes acusou de estar por trás da crise nesse país.

O presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, e os três líderes da oposição parlamentar assinaram hoje um acordo após três meses de protestos antigovernamentais e que contempla eleições presidenciais antecipadas, um governo de união nacional e uma nova Constituição.

Após dar as boas-vindas ao pacto, os Estados Unidos pediram a “imediata execução” de seus passos iniciais para pôr fim à violência na Ucrânia e ressaltou que o respeito ao direito ao protesto pacífico “é essencial”.

“Como dissemos, os responsáveis pela violência e as vítimas desde que começou a crise devem prestar contas, e seguimos dispostos a impor sanções adicionais se for necessário”, advertiu a Casa Branca em comunicado.