Tóquio - Carros alegóricos, passistas, fantasias, percussão e muito calor marcaram o ritmo neste sábado no bairro de Asakusa, em Tóquio, que deixou a tranquilidade de seus templos de lado para receber um pouco do carnaval brasileiro.

Cerca de 500 mil japoneses não quiseram perder, apesar das altas temperaturas, a 31ª edição do 'Festival de Samba de Asakusa', e abarrotaram as ruas do bairro.

Pelas ruas adjacentes ao grande templo de Sensoji, o mais antigo da capital e coração do bairro, uma maré de dançarinas vestidas com plumas subiu ainda mais a temperatura, esbanjando uma sensualidade incomum para o local e que atraiu vários curiosos.

O desfile contou com a participação de 26 escolas de samba, quase todas estabelecidas no Japão, nas quais participaram mais de quatro mil dançarinos e músicos, segundo detalhou à Agência Efe um membro da organização.

Espetáculos musicais e fantasias evocavam temas tão díspares como a indústria do cinema, o meio ambiente, o céu e o inferno, embora também não tenha faltado a fusão das culturas japonesa e brasileira.

'É maravilhoso ver como se movimentam, adoro a música brasileira', afirmou à Efe Kentaro, um jovem japonês fantasiado com uma toalha úmida na cabeça para amenizar o calor.

As coreografias, estudadas à perfeição, tentaram imitar dignamente os desfiles no Rio de Janeiro, enquanto a bordo dos carros alegóricos alguns japoneses, amantes do karaokê, se encorajavam a cantar as tradicionais marchinhas de carnaval.

Realizado tradicionalmente no último sábado de agosto, o festival nasceu em 1981 quando o prefeito de um dos 23 distritos que compõem a capital japonesa convidou uma escola de samba do Rio a fazer uma demonstração em Tóquio.

Este grande celebração, transformada já em uma data habitual do calendário cultural japonês, serve de ponto de encontro para a numerosa comunidade brasileira no Japão, e de homenagem a um país que acolhe sua maior colônia no exterior com mais de 1,8 milhões de japoneses e descendentes até de segunda geração. 

Tópicos: Carnaval, Ásia, Japão, Países ricos, Tóquio, Metrópoles globais