Se você já assistiu algum filme que se passa em Nova York, é muito provável o Empire State Building, um dos prédios mais conhecidos da cidade. Ele é um dos mais novos adeptos do telhado verde.

Quatro jardins, que totalizam 845 m², servirão como áreas de convivência do edifício, onde será possível almoçar, descansar, bater papo ou simplesmente admirar a vista privilegiada.

Além de melhor qualificar o ambiente para as pessoas que o frequentam, a eficiência energética também saiu no lucro. O novo telhado absorve água da chuva, evita alagamentos, ajuda a filtrar o ar e minimizar sua poluição e ainda neutraliza os efeitos provocados pela "ilha de calor" na cidade.

A iniciativa faz parte de um programa de eficiência energética da administração do edifício, que diminuiu o consumo em 38% ao aplicar princípios de retrofit.

O projeto já rendeu a pontuação 80, dos possíveis 100, no programa Energy Star. Também recebeu certificação LEED-EB Gold do Consulado Americano de Edifícios Verdes - United States Green Building Council, em inglês.

Estima-se que a concretização do plano - que incluiu diversas mudanças como elevadores e sistema de refrigeração mais eficientes além da construção de novas janelas - absorveu U$ 550 milhões.

O telhado verde foi implementado pela Xero Flor America, empresa que também tem em seu currículo projetos para locais notáveis como a Escola de Direito de Harvard, o hotel Hilton de Nova York e a Universidade de Columbia.

Seria interessante se este exemplo se espalhasse não só por Nova York, mas pelo mundo inteiro - para que o cinza do cenário urbano seja transformado em verdadeira inspiração que muda a percepção diária das cidades.

Tópicos: Prédios comerciais, Gestão, Sustentabilidade