O embaixador russo na ONU, Vitali Churkin, advertiu nesta sexta-feira o presidente sírio, Bashar al-Assad, sobre seu plano de reconquistar toda a Síria, que, segundo ele, prejudica os esforços diplomáticos russos para se alcançar um cessar-fogo.

"A Rússia se envolveu seriamente nesta crise de um ponto de vista político, diplomático e agora militar. Por isso queríamos, é claro, que Bashar al-Assad levasse isso em conta", declarou Churkin em uma entrevista ao jornal Kommersant.

Bashar al-Assad havia afirmado na semana passada, em uma entrevista exclusiva à AFP, que queria reconquistar toda a Síria.

As declarações do presidente sírio, aliado próximo de Moscou, "entram em dissonância com os esforços diplomáticos empreendidos pela Rússia" para colocar fim às hostilidades na Síria e instaurar um cessar-fogo, estimou o diplomata, formulando uma crítica incomum ao regime do presidente sírio.

Se o governo de Damasco considerar que "um cessar-fogo não é necessário e que é preciso lutar até a vitória, o conflito ainda levará muito tempo, e imaginar isso dá medo", acrescentou o embaixador.

Desde 30 de setembro, a Rússia realiza uma campanha aérea na Síria contra grupos opositores ao governo sírio, que graças a ela pôde avançar em várias partes do país, em particular na província de Aleppo (norte).

Tópicos: Bashar al-Assad, Políticos, Europa, Rússia, Ásia, Síria