La Paz, 12 mar (EFE).- As autoridades do departamento boliviano de Santa Cruz, onde foram registrados 14 casos de zika na Bolívia desde o ano passado, declararam um alerta vermelho de saúde para aumentar as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti.

O chefe de epidemiologia do governo de Santa Cruz, Roberto Torrez, disse neste sábado à Agência Efe que a declaração de alerta vermelho segue a legislação para se trabalhar com mais intensidade perante a epidemia e é um passo prévio à declaração de emergência caso seja necessário.

Os 14 casos da Bolívia, sendo 12 autóctones e dois importados, se encontram em Santa Cruz, região situada na fronteira com Brasil e Paraguai.

Torrez acrescentou que já foram realizados mais de 180 exames médicos em suspeitos que resultaram negativos e que não há nenhum caso de complicação com a síndrome de Guillain-Barré, doença auto-imune que afeta o sistema nervoso e que foi associada ao zika.

O especialista comentou que as autoridades se perguntam por que a doença não teve um efeito impactante na Bolívia como em outros países e disse que isso provavelmente ocorreu devido às intensas campanhas para a destruição dos criadouros do mosquito Aedes aegypti no ano passado.

Essas campanhas ocorreram em meio a grandes epidemias de dengue e chicungunha, transmite pelo mesmo mosquito.

"Acreditamos que esse trabalho que foi e está sendo feito está conseguindo de alguma maneira que a epidemia não seja explosiva", disse Torrez.

No ano passado, o sistema de saúde de Santa Cruz atendeu 25 mil casos entre dengue e chicungunha. De acordo com Torrez, o surgimento de casos de Guillain-Barré ou microcefalia por causa do zika pode complicar o atendimento em tratamento intensivo, mas as autoridades já planejam uma resposta para essa possibilidade. EFE

Tópicos: Bolívia, América Latina, Dengue, Doenças, Saúde, Zika