São Paulo – A luz refletida pelos vidros de um arranha-céu foi responsável por derreter partes de um Jaguar XJ estacionado nas proximidades. Ou pelo menos é isso que afirmou o dono, Martin Lindsay, em depoimento dado ao site inglês City A.M.

O carro fora parado pelo empresário em uma rua próxima ao prédio perto da uma da tarde, e lá ficou por cerca de uma hora. Ao chegar ao local, a reportagem do site notou um cheiro de plástico queimado e o reflexo das janelas da construção na lataria. Uma foto divulgada pela BBC mostra o estrago no veículo.

Por mais curioso que pareça, o caso não foi o primeiro relatado ao site. Um engenheiro contou ao City A.M. o caso de sua van, que teve toda a parte esquerda do painel derretida. O reflexo das paredes também tem incomodado os passantes, e é mais forte no período da tarde, segundo o site London Evening Standard.

Projetado pelo arquiteto uruguaio Rafael Viñoly e apelidado de Walkie-Talkie, o arranha-céu tem as paredes levemente curvadas. Os quatro lados são cobertos de vidro, e um deles tem a parede espelhada côncava, como a parte interna de uma colher. Isso faz com que os raios refletidos “foquem” em um ponto, criando um efeito que lembra o de uma lente de aumento.

O grande problema aí é que esse lado do prédio ainda é inclinado para a rua, o que faz com que o ponto teoricamente mais quente seja bem onde passam os carros e as pessoas. Não se sabe ainda se o calor gerado pelo reflexo do prédio é realmente capaz de derreter partes de um carro, mas isso não impediu as autoridades londrinas de iniciarem uma investigação.

Diversos pontos de estacionamento “aquecidos” pelo Walkie-Talkie (que agora virou Walkie-Scorchie, ou "Walkie-derretedor") já foram interditados por oficiais locais. Já o empresário Lindsay não ficou de mãos abanando, e os responsáveis pelo prédio concordaram em pagar os custos do reparo do Jaguar.

Tópicos: Arranha–céus, Arranha-céus, Europa, Reino Unido, Londres, Metrópoles globais, Prédios comerciais, Gestão, Sol, Ciência