Jacarta - Lady Gaga não poderá realizar o show que havia agendado em Jacarta no próximo dia 3 de junho depois que os radicais islâmicos indonésios demonstraram sua oposição ao espetáculo por "representar a fé de Satã".

O porta-voz da polícia indonésia, Boy Rafli, informou nesta terça-feira que foi negada à artista a permissão para apresentar o show de sua turnê mundial "Born This Way".

A polícia tomou esta decisão depois que os grupos islâmicos mais extremistas do país asiático criticaram a forma de vestir e a "provocação" representada pela diva americana.

Alguns políticos se mostraram contrários à decisão, porque "caso se atrevam a cancelar shows com ideologia liberal e capitalista como Lady Gaga, também deveriam ser firmes contra a demonstração de ideologias do Oriente Médio", disse Ahmad Basah, membro da comissão de assuntos legais do Parlamento.

Basah criticou com estas declarações a influência que têm no país os grupos islâmicos mais radicais, apesar de que a maior parte dos indonésios são muçulmanos moderados.

A Frente de Defensores do Islã (FPI), organização radical indonésia, antecipou na semana passada que seus membros tinham previsto comparecer ao aeroporto internacional de Jacarta quando a cantora chegasse para impedir que se apresentasse na capital.

Caso a primeira tática fracasse, o grupo revelou que se infiltraria entre os espectadores durante o show para afugentá-los.

Cerca de 60 mil ingressos já foram vendidos para a apresentação que Lady Gaga faria no estádio Bung Karno de Jacarta.

Quase 85% dos 240 milhões de habitantes da Indonésia seguem o islã. 

Tópicos: Indonésia, Ásia, Lady Gaga, Celebridades, Religião, Shows de música, Indústria da música, Arte