Belgrado - Um sistema de registro comum e controle reforçado dos refugiados para impedir cruzamentos ilegais de fronteira e reduzir o número de chegadas começou a ser aplicado a partir desta segunda-feira na chamada "rota dos Bálcãs", informa a televisão pública sérvia "RTS".

Os refugiados são registrados na fronteira entre Grécia e Macedônia, onde recebem um documento comum, com foto e com selos de entrada e saída no resto dos países pelos quais transitam.

Esse reforço do controle nas fronteiras segue um acordo da semana passada entre Macedônia, Sérvia, Croácia, Eslovênia e Áustria, que representa também um trânsito organizado dos refugiados em trens e ônibus até a república alpina, que é também país de destino para alguns emigrantes.

A Áustria começou a aplicar na semana passada um duplo limite diário de entrada de refugiados: 80 solicitantes de asilo no país e outros 3,2 mil que desejam continuar rumo à Alemanha.

O diretor da polícia sérvia, Vladimir Rebic, disse ontem à noite que o cumprimento das medidas comuns é importante "para estarmos preparados para a onda (migratória) de primavera e verão, que com certeza será muito mais intensa" que a atual.

No ano passado, o número de chegadas durante o verão chegou a alcançar 10 mil pessoas por dia.

Durante a noite passada, entraram na Sérvia desde Macedônia cerca de 800 refugiados sírios e iraquianos, segundo a "RTS".

A emissora também indicou que 350 "emigrantes econômicos" foram devolvidos desde o centro de amparo de Sid, no norte sérvia, à fronteira com a Macedônia.

Os países da rota balcânica impedem o trânsito por seu território de pessoas que não procedem de países em guerra no Oriente Médio, por considerá-los emigrantes econômicos.

Tópicos: Europa, Grécia, Crise grega, Piigs, Refugiados, União Europeia