Duas mães curdas da Síria afirmaram nesta quinta-feira à imprensa, em sua chegada à ilha grega de Lesbos, que foram separadas durante a travessia do Mediterrâneo de seus filhos, que foram levados de volta para a Turquia.

O incidente ocorreu durante uma operação de intercepção realizada pela guarda costeira turca.

A missão em Lesbos do Alto Comissariado para os Refugiados da ONU (Acnur) iniciou uma investigação dos fatos.

De acordo com as mulheres, uma delas foi separada de suas cinco crianças, com idades entre 7 e 14 anos, e a outra de dois filhos.

Elas garantem que a embarcação onde estavam foi interceptada em águas turcas pela guarda costeira, que começou a embarcar os passageiros, incluindo crianças, para trazê-los de volta ao continente no lado turco.

Mas, durante a operação, o piloto da embarcação de migrantes acelerou para escapar da polícia turca, separando as famílias.

O barco foi então interceptado no mar pela polícia portuária grega.

Segundo o Acnur na Grécia, a separação de famílias não são incomuns nos fluxos migratórios atuais.

Segundo a agência de coordenação policial Europol, mais de 10.000 crianças migrantes não acompanhadas desapareceram na Europa desde janeiro de 2014 depois de serem registadas no momento de sua chegada. Elas são potenciais vítimas do comércio sexual.

Tópicos: ONU, Síria, Turquia, Ásia, Europa