Pequim - Um menino chinês de 10 anos se suicidou ao se jogar do 30º andar de um edifício depois de não conseguir escrever uma carta autocrítica exigida por seu professor, informaram meios de comunicação estatais nesta quinta-feira.

O aluno da quinta série de uma escola primária recebeu com missão escrever um pedido de desculpas de 1.000 caracteres ao seu professor por falar em sala de aula, declarou a Rádio Nacional Chinesa em seu site, citando um vizinho.

O educador teria dito que ele devia saltar de um edifício depois que o menino não conseguiu completar a tarefa, informou a rádio, citando parentes e vizinhos do garoto.

A frase "professor, eu não consigo fazer isso" estava escrita em um de seus cadernos, segundo a rádio. "Eu hesitei várias vezes quando tentei pular do prédio", havia declarado também.

A criança caiu sobre um carro estacionado em frente ao apartamento onde sua família vive, informou o West China City News.

Seus parentes furiosos instalaram um banner em frente à escola, na cidade de Chengdu, no sudoeste do país, que dizia: "O professor forçou nosso filho a saltar do prédio".

"A investigação policial ainda está em andamento", declarou um funcionário do distrito de Jinjiang, onde o incidente ocorreu, informou a AFP, negando-se a fazer mais comentários.

A disciplina rigorosa é uma parte essencial do sistema educacional e cultural da China, e a tradição exige deferência à autoridade, colocando as crianças sob pressão para obedecer às instruções.

A notícia provocou tristeza e comoção no Sina Weibo, o equivalente chinês do Twitter.

"Como pode um cara como esse ser um professor?" escreveu um internauta. "Quem deu a ele o direito de falar dessa maneira? Por que o aluno tem esse tipo de obediência cega?"

A escola onde o menino estudava declarou nesta quinta-feira em sua conta no Sina Weibo que a criança e alguns de seus colegas receberam ordens de escrever um texto sobre o seu comportamento depois de atrapalharem uma atividade na escola.

Ele morreu "acidentalmente", declarou.

Tópicos: Ásia, China, Crianças, Escolas