Serviços de chá Hermès. Divãs Burberry. Lençóis Chanel. Coloque esses itens na lista de compras se você quiser viajar de avião como um magnata da Ásia.

E não se esqueça da mesa de mahjong e do caraoquê. Detalhes brilhantes, mogno e tapetes bordados com ouro também poderiam ajudar você a se acomodar bem.

A previsão é que dentro de uma década a Ásia vai criar mais patrimônios bilionários que os EUA e a proliferação de figurões deve desencadear uma onda de compras de aviões executivos que irá triplicar a frota de aeronaves de luxo na Grande China

A Gulfstream Aerospace, a Airbus Group e a Bombardier estão atendendo mais às preferências locais e aumentando os serviços de assistência porque mais de 15 por cento da frota mundial de aeronaves de luxo poderia estar nessa região até o próximo ano.

“Todos nós achamos que o mercado asiático será enorme”, disse Ang Chye Kiat, vice-presidente executivo da área de manutenção e modificação de aeronaves da Singapore Technologies Aerospace. “Os empreendedores particulares não têm problema em comprar um avião e gastar dinheiro com ele”.

Os bilionários estão seguindo os passos de empresas e governos encomendando aviões particulares que podem custar mais de US$ 70 milhões antes das despesas para enfeitar o interior e personalizar a pintura do exterior. Havia cerca de 16.000 aviões particulares no mundo em 2014, disse a Bombardier.

Personalização

O patrimônio líquido médio dos proprietários de aviões particulares da Ásia é de US$ 1,1 bilhão, na comparação com a média de US$ 520 milhões entre os proprietários mundiais, de acordo com o World Ultra Report 2014 da Wealth-X e do UBS. 

Além disso, os proprietários asiáticos são mais jovens e tendem a gastar quase 40 por cento a mais em sua frota.

Cerca de 9.000 aviões corporativos serão entregues até 2024, gerando em torno de US$ 267 bilhões em receita para as fabricantes, disse a Bombardier em sua projeção para o setor de aeronaves. Aproximadamente 1.540 desses aviões – ou 17 por centro – estão destinados à Ásia.

Antes da entrega o interior normalmente passa por uma transformação profunda, que pode incluir sistemas de entretenimento Bang Olufsen, joias Swarovski encrustadas no teto para imitar o brilho das estrelas e tapetes de seda bordados com o nome do proprietário. "O talento artístico e o trabalho artesanal são coisas que sempre aparecem”.

Mistura de estilos

Os compradores de aviões particulares na Ásia provêm geralmente dos setores de consumo, imóveis, cassino e commodities, de acordo com os fornecedores de serviços. 

Esses clientes geralmente querem um avião maior e com um alcance maior, como o Global 5000, da Bombardier, que custa a partir de US$ 50 milhões, para viajar à Europa, disse Khader Mattar, vice-presidente de vendas em regiões que incluem a Ásia.

Os compradores chineses preferiam um estilo mais local para o interior, com tapetes laranja ou vermelho vivo e detalhes dourados, disse Jackie Wu, fundador e presidente da empresa de consultoria JetSolution Aviation Group, com sede em Hong Kong. 

Mas, à medida que foram conhecendo marcas e estilos de design ocidentais, eles foram incorporando esses elementos aos aviões.

A marca Hermès é usada para aparelhos de jantar, de chá, colheres, cestos de lixo e até saboneteiras, disse Wu, cuja empresa ajuda os clientes a escolherem e personalizarem seus aviões. Para encher essas xícaras, os clientes pedem aparelhos que esquentam a água até temperaturas exatas, disse a Gulfstream. 

Os bancos podem ser forrados em couro com estampas Chanel e os interiores com materiais das marcas Fendi, Versace e Giorgio Armani são populares.

“A região Ásia-Pacífico, em termos gerais, será o maior mercado do mundo durante os próximos 20 anos”, disse David Velupillai, diretor de marketing da Airbus Corporate Jets. 

“O luxo tem um significado para os bilionários? Eles são ricos em dinheiro, pobres em tempo. O avião particular é um modo de lidar com isso”.

Tópicos: Veículos, Aviões, Transportes, Bilionários, Luxo, Ásia