São Paulo - A cidade de Colônia, na Alemanha, voltou aos holofotes nesta semana depois que uma jornalista belga foi assediada durante transmissão ao vivo de TV no centro da cidade, onde ocorrem os festejos de Carnaval.

A cidade de Colônia está em estado de alerta contra agressões sexuais depois que dezenas de mulheres apresentaram queixas de agressões sexuais atribuídas a imigrantes na véspera de Ano Novo.

Esmeralda Labye, repórter da emissora belga RTBF, estava gravando na última quinta-feira quando foi abordada. Mas seu caso não parece ter relação com os episódios passados. "Eu gostaria de enfatizar que o incidente foi causado por homens jovens de língua alemã", disse a jornalista belga.

Revoltada com a situação, Labye publicou um artigo no site da emissora, onde se refere aos agressores como "miseráveis e covardes". Ela conta que os homens estavam tentando chamar sua atenção com gestos obscenos enquanto ela gravava, sendo que um deles a beijou no pescoço.

"Dois ou três homens reuniram-se atrás de mim e tentaram ser o centro da minha atenção", disse ela. "Eu estava focada na transmissão, e então senti um beijo no meu pescoço.[...] Quase imediatamente, um jovem alemão falou no meu ouvido: 'Voulez-vous coucher avec moi ce soir? [Quer dormir comigo esta noite?]'. Então, eu senti duas mãos nos meus ombros. E vi a pessoa atrás de mim fazendo um gesto obsceno, que não aparece na câmera."

E não para aí. "Quando me preparava para ir embora, um dos três homens tocou meu peito. Naquele momento, perdi a paciência .Virei-me e disse-lhes em inglês: Eu não vou permitir que isso aconteça duas vezes! Não me toque. Não me toque!", escreveu. A polícia está à procura dos suspeitos.

Tópicos: Alemanha, Europa, Países ricos, Assédio sexual, Crime