São Paulo - Autoridades japonesas divulgaram um novo padrão de símbolos que deverá substituir os utilizados atualmente nos mapas turísticos em língua estrangeira do país. A mudança ocorre após críticas de que alguns dos pictogramas atuais são difíceis de entender ou até mesmo ofensivos.

O mais famoso deles é o símbolo da suástica, usado para representar templos e santuários nos mapas, mas que é constantemente associado à Alemanha Nazista.

Ao contrário do que possa aparentar, a suástica -- também chamada de cruz gamada, ou Manji, no Japão -- surgiu bem antes da adoção  por Hitler e pelo Partido Nazista. 

Ela é um dos símbolos místicos mais antigos que existem e permeia várias religiões e filosofias, como o Hinduísmo, Budismo, Jainismo, Sikhismo e o Taoismo. Sua representação varia de acordo com seu uso -- pode ter menos braços e girar para direções opostas, por exemplo.

Mas nem todo mundo sabe disso. Então, por causa da confusão que este símbolo criou entre os visitantes, o departamento de turismo do país propõe substitui-lo pelo desenho de um 'pagode', uma arquitetura bem típica do país.

Eles também pretendem trocar o símbolo 'H' que é usado para marcar a localização de um hotel em um mapa, porque em muitos outros países este símbolo indica um hospital. Outra mudança é o 'X' nos mapas japoneses, que deixa muito turista confuso -- ele é usado para indicar um posto de polícia.

Antes de rever seus símbolos, a Autoridade de Informação Geoespacial do Japão (GSI, na sigla em inglês) entrevistou 1.017 pessoas de 92 países e regiões, incluindo funcionários da embaixada, estudantes estrangeiros e turistas.

De acordo com o Japan Times, o GSI disse em um relatório: "Para construir uma nação voltada para o turismo e garantir a boa execução dos Jogos Olímpicos de Tóquio de 2020, o Japão precisa criar um ambiente onde os visitantes estrangeiros possam facilmente obter transporte e acomodações. Para isso, é especialmente importante divulgar mapas multilingues que sejam fáceis para os estrangeiros entenderem."

A estimativa é que os novos símbolos sejam adotados até ao final do março, seguido por um período de consulta pública. A troca não agrada a todos, como mostram estes tuítes:

"Patrimônio cultural corrompido pelos nazistas. Os europeus devem aprender significado correto. Japão NÃO deve removê-lo".

"Alguns dizem que confundem o manji com o símbolo nazista, mas o budismo tem uma história muito mais longa com este símbolo. Então, eu me oponho fortemente às mudanças nos nossos mapas para alguns estrangeiros que são ignorantes e extremamente estúpidos. A ideia é uma tolice."

Tópicos: História, Ásia, Japão, Países ricos, Nazismo, Turismo, Setores