Viena - O vice-ministro de Relações Exteriores iraniano, Abbas Araqchi, disse ter feito nesta segunda-feira propostas ao chefe da agência nuclear da ONU, Yukiya Amano, depois de prometer uma "nova abordagem" para reduzir as preocupações internacionais com a suspeita de pesquisa nuclear ilícita por parte do Irã.

Os inspetores da ONU querem retomar uma investigação, há anos frustrada pela não cooperação iraniana, sobre o que definem como "possíveis dimensões militares" do programa nuclear da República Islâmica. O governo iraniano afirma que está enriquecendo urânio somente para geração de eletricidade e tratamentos médicos.

A esperança de romper o impasse entre o Irã e a Agência Internacional de Energia Nuclear (AIEA) sobre a natureza do programa nuclear cresceu depois da eleição do presidente moderado Hassan Rouhani, que se comprometeu a romper o isolamento do país.

Araqchi disse ter mantido conversas "muito úteis" com o diretor-geral da AIEA e ter apresentado propostas para serem avaliadas em detalhes por altos dirigentes da agência e especialistas iranianos.

"Estou muito esperançoso de que possamos obter um bom resultado", declarou Araqchi a repórteres, em Viena.

O encontro de Araqchi com Amano foi o primeiro de alto nível entre a AIEA e os iranianos desde que Rouhani assumiu o cargo em agosto, prometendo conciliação em lugar de confrontação nas relações externas do Irã.

"É muito importante para todos nós que possamos mostrar progresso concreto", disse Amano, sentado à mesa com Araqchi na sede da AIEA, no começo das conversações.

"Nós achamos que este é o momento de assumir uma nova abordagem para a resolução (das questões) entre o Irã e a AIEA, e olhar para o futuro em busca de mais cooperação para assegurar a natureza pacífica do programa nuclear iraniano", afirmou Araqchi.

Ele não deu detalhes, mas acrescentou: "É pacífico e vai permanecer pacífico para sempre." A expectativa para a conversa desta segunda-feira era relativamente alta e os diplomatas acreditam que o Irã poderá em breve fazer algumas concessões, talvez permitir que os inspetores da ONU visitem a base militar de Parchin, a sudeste de Teerã, uma antiga prioridade da AIEA.

Aproveitando a abertura diplomática possibilitada por Rouhani, o Irã e seis potências mundiais estão realizando negociações separadas com vistas a um amplo acordo político para a disputa, para afastar qualquer risco de uma nova guerra no Oriente Médio.

O último encontro foi em Genebra, este mês, e o próximo está marcado para novembro.

Tópicos: AIEA, Armas químicas, Irã, Ásia, ONU, Testes nucleares