Zurique - As inundações e os terremotos são os desastres naturais que representam o maior risco para os habitantes de todo o mundo, de acordo com um estudo realizado pela seguradora suíça Swiss Re publicado nesta quarta-feira.

Esta pesquisa mostra que 308 milhões de pessoas poderiam ser afetadas por grandes inundações devido ao aumento dos níveis de água nos rios, indicou o grupo suíço em um comunicado.

Cerca de 280 milhões de pessoas poderiam ser atingidas por terremotos severos.

Este estudo, que abrange 616 centros urbanos em todo o mundo, avalia os riscos ligados a cinco tipos de desastres naturais, incluindo tsunamis e tempestades. Estabelece uma distinção entre o impacto humano, o número de dias de trabalho perdidos e o impacto da perda de produtividade na economia nacional.

Segundo o modelo da Swiss Re, as cidades da Ásia são as mais vulneráveis ​​a nível humano. Na região de Tóquio - com Yokohama à frente - até 29 milhões de pessoas podem ser atingidas por terremotos.

Tóquio-Yokohama também alcança o topo do ranking em termos de dias de trabalho perdidos, seguido por Osaka-Kobe e Nagoya.

Amsterdã-Rotterdã está em quinto lugar entre as cidades potencialmente mais expostas em termos de perda de produtividade, enquanto Los Angeles e Nova York estão, respectivamente, em sexto e sétimo lugar. Paris ocupa a nona posição.

Quando a infraestrutura de uma cidade é danificada, a ponto de as pessoas não poderem ir para o trabalho, desastres naturais podem afetar de forma significativa a economia local e nacional.

De acordo com este estudo, um terremoto devastador em Los Angeles poderia afetar tantas pessoas quanto em Jacarta, mas a queda no valor devido aos dias de trabalho perdidos seria 25 vezes maior.

Em algumas regiões, um desastre natural pode ter consequências graves para a economia nacional, mesmo quando o impacto se limita ao nível da própria cidade.

Este é o caso, por exemplo, de Lima, no Peru, mas também em cidades menores, como San Jose, na Costa Rica, que são os principais centros de produção desses países

Para a Swiss Re, o estudo destaca a necessidade de entender o que faz as cidades mais resilientes e quais decisões devem ser tomadas nos quesitos investimento e infraestrutura, com o objetivo de reduzir as perdas humanas e econômicas.

Atualmente, 1,7 bilhão de pessoas vivem em centros urbanos, o que representa cerca de um quarto da população mundial. Em 2050, cerca de 6,3 bilhões de pessoas poderão viver na cidade.

Tópicos: Chuvas, Cidades, Desastres naturais, Terremotos, Tsunami