Paris - O presidente da França, François Hollande, afirmou nesta terça-feira que "toda a Europa foi golpeada" após a série de ataques terroristas que matou mais de 20 pessoas em Bruxelas.

"Com os atentados de Bruxelas, toda a Europa foi golpeada, o que exige que tomemos as medidas indispensáveis diante da gravidade da ameaça", indicou em comunicado divulgado pelo Eliseu.

O chefe de Estado destacou que, depois dos atentados jihadistas de novembro em Paris, a França assumiu "sua parte e manterá de forma implacável a luta contra o terrorismo, tanto em nível internacional como interno".

"Devemos tomar consciência da amplitude e da gravidade da ameaça. Estes ataques chegam após outros. Paris foi particularmente afetada ano passado, em janeiro e em novembro", disse em um pronunciamento após a divulgação do comunicado, em que apelou para que a UE aja "com sangue frio, lucidez e determinação".

Hollande fez um chamado à união nacional, mas também à necessidade de "responder globalmente à ameaça, com toda a vigilância" e os meios necessários, "principalmente em matéria de informação".

O presidente acrescentou sua "total solidariedade" com a população belga e ressaltou que está em "contato constante" com as autoridades desse país para "oferecer todo o apoio que necessitarem nestas circunstâncias dramáticas".

Além disso, lembrou que o Executivo decidiu reforçar o dispositivo de segurança e o controle nas fronteiras e nas infraestruturas de transporte.

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, tinha detalhado pouco antes que 1.600 policiais e gendarmes adicionais serão desdobrados em todo o território francês para esse trabalho.

O acesso às áreas comuns das infraestruturas de transporte, onde patrulhas militares vão ajudar os agentes já desdobrados, só será permitido a quem tiver passagem e/ou documento de identidade, e as "medidas de controle e de revista" serão sistematizadas.

O Ministério da Educação anunciou que as viagens escolares à Bélgica foram canceladas, e pediu a quem já estiver no país que permaneça onde estiver até a repatriação.

Tópicos: Atentados em Paris, Ataques terroristas, Terrorismo, Bélgica, Europa, Países ricos, França, François Hollande, Políticos