Moscou - A Rússia acusou formalmente de vandalismo os 30 tripulantes do navio "Arctic Sunrise", do Greenpeace, detidos após uma ação de protesto em uma plataforma de petróleo no Ártico, mas ainda não retirou as acusações de pirataria, indicou a ONG nesta sexta-feira.

"O poderoso Comitê de Investigação anunciou na semana passada que as acusações de pirataria (...) seriam substituídas por acusações de vandalismo", lembrou o Greenpeace em um comunicado.

"Mas, no momento em que os trinta detidos compareceram perante a comissão esta semana, as acusações de pirataria não foram retiradas. Ao invés disso, novas acusações foram feitas contra cada um deles", acrescentou.

"Eles agora estão sendo acusados ​​de dois crimes, que são puníveis com até 15 anos (por pirataria) e sete anos (por vandalismo)", ressaltou a organização.

A Comissão de Investigação havia anunciado em 23 de outubro que tinha decidido redesignar as ações movidas contras os 30 tripulantes do Greenpeace, entre os quais estavam 26 estrangeiros, entre elas a bióloga brasileira Ana Paula Maciel, presos em Murmansk (noroeste).

A porta-voz do Greenpeace, Maria Favorskaïa, disse à AFP que os investigadores informaram aos 30 prisioneiros que estavam preparando os documentos sobre a reclassificação das acusações.

"Nós ainda não recebemos tais documentos. Mas, formalmente, esta requalificação entrará em vigor apenas quando os advogados receberem pelo correio" uma carta para cada acusado, disse.

Ela indicou que apenas a acusação de pirataria permite a detenção de pessoas em águas internacionais.

"Eles não têm nenhuma razão para manter em detenção as pessoas que não são piratas. Acredito que eles deliberadamente têm criado dificuldades para mantê-los na prisão o maior tempo possível", considerou.

O "Arctic Sunrise", que navegava sob a bandeira holandesa - a organização ecologista Greenpeace foi registrada sob a lei holandesa-, foi rebocado no final de setembro pela guarda costeira russa no Mar de Barents, depois de membros de sua tripulação tentarem escalar uma plataforma de petróleo em protesto.

Tópicos: Greenpeace, ONGs, Europa, Rússia, Ásia