Austin - As autoridades sanitárias dos Estados Unidos confirmaram nesta terça-feira o primeiro caso autóctone de zika vírus no país, e também o primeiro por transmissão sexual, em uma pessoa que vive na cidade de Dallas, no estado do Texas, e que teve relações com outra que foi infectada por uma picada de mosquito em outro país.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) tinham contabilizado até o momento 31 casos de pessoas que foram infectadas por mosquitos fora do país - seis delas do Texas -, mas ainda não tinham detectado nenhum contágio dentro dos Estados Unidos.

Além disso, na última apuração dos CDC, divulgada em 28 de janeiro, foram confirmados 19 casos do vírus transmitido localmente por mosquitos em Porto Rico e outro nas Ilhas Virgens.

O caso no Texas foi informado pelo Departamento de Saúde do condado de Dallas após receber a confirmação dos laboratórios dos CDC, embora não tenham sido divulgados mais detalhes.

"Agora que sabemos que o zika vírus é transmitido através de relações sexuais, insistimos em nossa campanha para conscientizar à população", disse em comunicado o diretor do departamento, Zachary Thompson, que recomendou o uso de preservativo, além da abstinência, como "o melhor método de prevenção".

O Comitê de Emergência da Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu ontem que os casos de microcefalia e de desordens neurológicas registrados no Brasil constituem uma emergência sanitária de alcance internacional, mas não o zika vírus por si só, por não ter sido comprovada a relação entre ambos.

Texto atualizado às 9h18.

Tópicos: Doenças, Doenças sexualmente transmissíveis, Estados Unidos, Países ricos, Zika