Genebra - Os trabalhadores sanitários de categoria média - parteiras, enfermeiros, assistentes médicos e clínicos cirúrgicos, entre outros - realizam algumas tarefas sanitárias igual e até melhor que os médicos, segundo um estudo divulgado nesta sexta-feira no boletim mensal da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Essa constatação pode ser de grande utilidade em países com poucos recursos e má distribuição de trabalhadores sanitários, indica o artigo.

"Nossas conclusões desmentem o mito que um maior emprego de trabalhadores sanitários de categoria média pode dar lugar a serviços de qualidade inferior" comentou a esse respeito a autora principal do estudo, Zohra Lassi.

Entre os exemplos mencionados está o dos partos atendidos por parteiras, entre os quais a porcentagem de episiotomias (incisão para facilitar o nascimento) e o uso de analgésicos é menor em relação aos partos nos quais trabalham os ginecologistas.

Além disso, o atendimento prestado pelos enfermeiros na prevenção e tratamento de doenças cardíacas, diabetes, problemas de saúde mental e infecções por HIV é tão eficaz como a que oferecem os médicos.

Por isso, outorgar um papel mais relevante aos trabalhadores sanitários de categoria média "pode economizar dinheiro a longo prazo", comentou o diretor-executivo da Aliança Mundial de Pessoal Sanitário, Giorgio Cometto.

O estudo - o primeiro que analisa esta questão em profundidade - não sugere a substituição dos médicos por trabalhadores sanitários de categoria média, mas existem tarefas que estes últimos desempenham "igual ou melhor" que os médicos, explicou. 

Tópicos: Médicos, OMS, Saúde