Aguarde...

Tensão | 17/03/2014 10:42

Crimeia pede integração à Rússia; Kiev mobiliza tropas

Crimeia proclamou independência da Ucrânia e pediu integração à Rússia, sem o consentimento da comunidade internacional nem de Kiev, que mobilizou tropas

Michel Moutot e Dmytro Gorshkov, da

Dimitar Dilkoff/AFP

Homens armados, supostamente pertencentes às forças russas, na Crimeia

Homens armados, supostamente pertencentes às forças russas, na Crimeia: Parlamento da Crimeia aprovou por unanimidade a anexação à Rússia

Simferopol - A Crimeia proclamou nesta segunda-feira sua independência da Ucrânia e pediu oficialmente sua integração à Rússia, sem o consentimento da comunidade internacional nem de Kiev, que ordenou a mobilização de suas Forças Armadas.

O Parlamento da Crimeia aprovou por unanimidade a anexação à Rússia e a nacionalização de todos os bens do Estado ucraniano em seu território, depois da vitória esmagadora dos partidários da adesão em um referendo no domingo.

Os países ocidentais, que criticaram a consulta, pretendem adotar sanções contra Moscou. O presidente russo, Vladimir Putin, discursará na terça-feira sobre a Crimeia no Parlamento russo.

A Comissão Eleitoral anunciou o resultado final do referendo, com 96,77% de apoio à integração. Pouco antes, o primeiro-ministro da Crimeia, Serguei Axionov, havia anunciado 96,6% de votos favoráveis.

A participação na consulta foi de 81%, segundo as autoridades locais.

Em uma sessão celebrada durante a manhã, o Parlamento da Crimeia aprovou por unanimidade a independência da península da Ucrânia e sua reunificação com a Rússia, da qual fez parte até 1954.

Os 85 deputados aprovaram também a nacionalização de todos os bens do Estado ucraniano no território, a adoção do rublo como moeda oficial ao lado da grivna e o desmantelamento das unidades militares ucranianas.

"A república da Crimeia pede às Nações Unidas e a todos os países do mundo seu reconhecimento como Estado independente", afirma o texto aprovado pelo Parlamento em Simferopol, capital do território.

"A Crimeia pede à Rússia que a aceite como um de seus membros", completa.

Uma delegação do Parlamento da Crimeia viaja nesta segunda-feira a Moscou, onde o Parlamento russo pretende votar na sexta-feira a integração da península à Federação Russa.

"Voamos para Moscou", anunciou Axionov no Twitter.

A Rússia concedeu uma ajuda de 15 bilhões de rublos para a Crimeia, equivalente a 410 milhões de dólares, anunciou o premier também no Twitter.

Fuso horário de Moscou

O documento aprovado pelo Parlamento em Simferopol afirma que as leis ucranianas não são mais aplicadas na Crimeia e que o governo de Kiev já não tem nenhuma autoridade sobre a península.

O presidente do Parlamento da Crimeia, Volodimir Konstantinov, anunciou a dissolução de todas as unidades militares ucranianas com base na península e indicou que os soldados ucranianos leais a Kiev deverão abandonar a península.

O primeiro-ministro da região anunciou uma alteração no fuso horário na península a partir de 30 de março, que passará ao horário de Moscou (GMT+4), duas horas antes da hora de Kiev atualmente em vigor.

Comentários (0)  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados