Washington - O Comitê Olímpico dos Estados Unidos negou nesta segunda-feira que tenha sugerido a atletas preocupados com o vírus zika que considerassem a possibilidade de não ir aos Jogos do Rio em agosto.

Em nota oficial, a entidade disse que não impedirá atletas de competirem no Brasil, caso sejam qualificados.

O texto classificou de "100% incorretas" reportagens segundo as quais o comitê teria aconselhado os atletas que temem a doença a reconsiderarem sua participação no campeonato.

O porta-voz do Comitê Olímpico, Mark Jones, afirmou que o assunto foi discutido no fim de janeiro durante uma teleconferência regular da entidade com federações esportivas.

Segundo ele, foi analisada a situação de funcionários das entidades que planejam ir ao Brasil e não a de atletas. "O Time USA aguarda com ansiedade os Jogos", disse a nota da instituição.

Na teleconferência, as federações esportivas receberam informações sobre as orientações do Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) sobre o zika.

A instituição do governo americano orienta mulheres grávidas a adiarem viagens a áreas afetadas pelo vírus.

Também recomenda que as que pretendam engravidar consultem seus médicos sobre planos de viagem. Mas Jones ressaltou que a discussão girava em torno de funcionários das entidades esportivas e não dos atletas.

Tópicos: Atletas, Esportistas, Estados Unidos, Países ricos, Olimpíada 2016, Olimpíadas, Esportes, Zika, Doenças