São Paulo - O mamífero que pode ter inspirado o pokémon Pikachu é, na opinião do governo chinês, uma praga.

Se isso já não era suficiente para irritar especialistas em conservação ambiental, o país tem usado há decadas uma tática criticada para varrer o "pika" do mapa: a intoxicação.

De acordo com o jornal The Independent, oficiais do governo chinês dizem que os mamíferos podem "prejudicar o pasto". A China tenta eliminar a população dos "pika" desde 1958, quando os programas de intoxicação foram sancionados.

Ainda segundo o jornal, no fim de 2014, o país já havia programado atingir uma área de 110 mil km² com o veneno, com um custo de 35 milhões de dólares.

Biologia

O "pika", na verdade, não é apenas uma espécie. São 29 espécies diferentes, que pertencem ao gênero Ochotona.

Ele é encontrado no oeste da América do Norte e também na Ásia, inclusive na região do Tibet. O animal vive em regiões montanhosas, com clima frio e muita altitude.

Um estudo sobre os efeitos da intoxicação do "pika" na região do Tibet afirma que o mamífero não degrada as áreas que povoa, e sim se muda para a região quando ela já está degradada.

Os testes também chegaram à conclusão de que o "pika" contribui para a infiltração de água no solo, algo essencial para amenizar os efeitos das enchentes.

Sua extinção também provocaria um desequilíbrio na cadeia alimentar, já que o animal é presa para diversas espécies carnívoras. Segundo a pesquisa, o pika é, na verdade, "uma espécie fundamental para a biodiversidade".

Tópicos: Animais, Animais em extinção, Biodiversidade, Ásia, China, Espécies, Meio ambiente