Melhor seria que ninguém sujasse as praias, mas, como isso ainda é apenas um desejo, a ONG Ocean Conservancy (OC) promove o Dia Internacional de Limpeza das Praias todos os anos, no terceiro sábado de setembro, que mobiliza cerca de meio milhão de pessoas de 87 países diferente.

Esse movimento ainda tem o apoio do Pnuma – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, que realiza todos os anos o Clean up The World e costuma reunir 35 milhões de voluntários de 130 diferentes nacionalidades.

A 21ª edição da campanha, que acontece este ano entre os dias 20 e 22/09 tem, como embaixadora, Céline Cousteau, documentarista e apaixonada pela Amazônia.

“O crescimento da população é insustentável. A saída é mostrar para as pessoas o impacto de suas atitudes e ensiná-las como reduzir consumo e desperdício”, acredita a neta do famoso oceanógrafo e também documentarista, Jacques Cousteau.

O lema “Nosso lugar... Nosso planeta... Nossa responsabilidade”, adotado pela organização, deve ecoar em diversas cidades brasileiras durante o próximo final de semana.

Quem não tem praia por perto poderá zelar pelos rios, lagos ou pelo meio ambiente onde quer que esteja, ou seja, em um sentido mais amplo.

Por isso, entre as cidades inscritas no movimento, estão grandes centros urbanos também. Porto Alegre, Florianópolis, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Seguro, Aracaju, Maceió, Fortaleza, Brasília e Manaus já confirmaram sua participação. Confira no mapa da campanha se alguma instituição de sua cidade também se engajou.

Como tudo começou

Após realizar o sonho de velejar o mundo, o australiano Ian Kiernan sentiu-se na obrigação de limpar seu país.

“Presenciei efeitos devastadores do lixo e da poluição durante minha viagem e decidi que era hora de agir”, conta no vídeo de boas-vindas da campanha. Foi então que, em 1990, aconteceu na Austrália o primeiro Dia Nacional de Limpeza. Deu tão certo que, em 1993, 30 milhões de pessoas de 80 nacionalidades diferentes aderiu ao movimento.

Tópicos: Lixo, Meio ambiente, ONGs, Poluição