Cairo -- Pelo menos sete civis morreram neste domingo e vários ficaram feridos por bombardeios da aviação russa contra um bairro da cidade setentrional síria de Aleppo, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Alguns dos feridos estão sob os escombros das casas do distrito de Al Qateryi, que ficaram em parte destruídas.

O Observatório não descartou que aumente o número final de vítimas mortais devido à gravidade dos feridos.

Pelo menos 15 membros de facções islamitas e rebeldes morreram em enfrentamentos com a milícia curdo-árabe Forças da Síria Democrática nos arredores da cidade de Tel Rafat, no norte da província de Aleppo.

Esses confrontos coincidem com ataques lançados pela aviação russa contra Tel Rafat e as populações de Hajam e Tel Mesibin, estas também situadas no norte de Aleppo.

Além disso, aeronaves, que acredita-se que sejam russas, prosseguiram hoje com seus bombardeios em zonas da cidade de Adnan, que, por sua vez, é atacada pelas forças de Damasco.

O Observatório afirmou que a aviação russa também é provável que esteja por trás dos bombardeios contra a cidade de Al Harak, na província meridional de Deraa, que causaram a morte de cinco membros de uma mesma família, entre eles duas crianças e uma mulher.

O norte da província de Aleppo é desde ontem também alvo de bombardeios do Exército turco, que atacou posições das forças curdas Unidades de Proteção do Povo.

O governo de Damasco condenou hoje "com firmeza" estes bombardeios e pediu ao Conselho de Segurança da ONU que ponha fim aos "crimes do regime turco".

O Ministério sírio de Relações Exteriores disse em comunicado que os bombardeios de artilharia da Turquia contra território sírio supõem um "respaldo turco direto às organizações terroristas armadas e uma agressão contra o povo sírio e a soberania síria".

Tópicos: Europa, Rússia, Ásia, Síria