O formato de espaçonave da nova sede da Apple, em Cupertino na Califórnia, foi apresentado em 2011, mas as obras só começarão em 2014.

Com quatro andares e 260.128,512 m², o prédio será parcialmente abastecido por seus painéis solares e abrigará sete mil árvores.

O verde, bastante notável do projeto e que representa 80% da área, deve inspirar os funcionários do campus.

Hoje, o terreno escolhido está disposto exatamente o contrário: 20% de área verde e 80% de concreto.

É bem possível que o design - que se mostrou comprometido com o meio ambiente - dispense ar-condicionado durante 70% do ano, já que a construção terá boa ventilação natural.

Outro exemplo é a iluminação, que além de ser inteira de LED, terá sistema inteligente adaptado às condições locais. Estima-se que o prédio gastará 30% menos energia que outros do mesmo porte.

Conscientes de que a construção civil também traz prejuízos para o planeta, os resíduos gerados durante as obras serão reciclados no local – evitando transporte.

Depois da morte de Steve Jobs, o projeto ficou na mão de Jonathan Ive, responsável pelo design da multinacional, e de Norman Foster, arquiteto responsável pelo prédio.

Hoje, será realizada reunião na cidade de Cupertino com as autoridades locais para aprovação de partes do projeto (a aprovação final será debatida em novembro).

O investimento total estimado é de U$ 5 bilhões – custo que excede o do projeto das novas torres do World Trade Center –, mas a empresa ainda quer cortar U$ 1 bilhão antes de dar início às obras, que durará cerca de três anos.

Tópicos: Apple, Empresas, Tecnologia da informação, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Energia, Energia solar, Infraestrutura, Sustentabilidade