Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

No Twitter, Trump se questiona se vive na Alemanha nazista

No Twitter, Trump se perguntou se "estamos vivendo na Alemanha nazista" em relação às acusações sobre um dossiê russo contra ele

O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, voltou a rebater as alegações de um dossiê russo com material comprometedor sobre ele, questionando “se estamos vivendo na Alemanha nazista”.

Em seu Twitter, Trump comentou o fato de a Rússia ter negado que possua tal dossiê. “A Rússia nunca tentou usar sua influência sobre mim. Eu não tenho nada feito com a Rússia – nenhum negócio nenhum empréstimo, nada!”

Trump disse ainda que ganhou a eleição com facilidade, “um grande movimento comprovado, e os oponentes e os oponentes desonestos tentam minimizar nossa vitória com notícias falsas. Um estado lamentável!”.

Segundo ele, as agências de inteligência “nunca deveriam ter permitido que esta falsa notícia ‘escapasse’ para o público. Um último tiro em mim. Estamos vivendo na Alemanha nazista?”, acrescentou.

Nesta quarta-feira, a Rússia negou nesta quarta-feira que tenha material comprometedor sobre o presidente eleito nos EUA, Donald Trump, chamando um dossiê de alegações não comprovadas de “absoluta fabricação” e uma tentativa de danificar as relações entre os EUA e a Rússia.

Ontem, a rede CNN divulgou que chefes das agências de inteligência dos EUA informaram na semana passada ao presidente eleito Donald Trump que espiões russos acreditam ter dados pessoais e financeiros comprometedores contra ele.

O alerta foi repassado também ao presidente dos EUA, Barack Obama. No entanto a veracidade das alegações não foi comprovada.

Ainda na terça-feira, Trump disse no Twitter que as notícias são falsas e “uma caça às bruxas total”. Os dados foram apresentadas em uma sinopse de duas páginas anexada ao relatório sobre a interferência russa na eleição de 2016.

Os chefes de inteligência decidiram incluir a sinopse para demonstrar que a Rússia compilou informações potencialmente prejudiciais aos dois partidos, mas só divulgou informações contra Hillary Clinton e os democratas.