“Ninguém vai tirar a Venezuela do Mercosul”, diz Maduro

Segundo o presidente venezuelano, a extrema direita "adotou um plano retrógrado de destruição e divisão"

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quarta-feira, em Havana, que “ninguém” vai tirar seu país do Mercosul, ao denunciar um “plano retrógrado” da “tríplice aliança de governos da extrema direita”, em referência a Brasil, Argentina e Paraguai.

“Nada ou ninguém vai nos tirar do Mercosul porque o Mercosul pertence aos povos”, declarou Maduro ao lado do presidente cubano, Raúl Castro, em um ato que comemorou o 12º aniversário da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA).

Maduro afirmou que a “presidência temporária” de seu país “foi ignorada pela tríplice aliança de governos de extrema direita, que adota a mesma visão de ódio e intolerância promovida pelo plano Condor nas ditaduras” latino-americanas nos anos 70 e 80.

“A extrema direita intolerante, ao invés de buscar o fortalecimento do Mercosul (…), adotou um plano retrógrado de destruição e divisão”.

Maduro denunciou a agressão sofrida nesta quarta-feira pela chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, quando tratava de entrar na chancelaria argentina para participar de uma reunião do Mercosul para a qual não fora convidada.

“Hoje nossa chanceler, Delcy Rodríguez Gómez, foi agredida pela polícia do governo da Argentina”, assinalou Maduro, qualificando o incidente de ato de “covardia”.

“Sabemos que isto é temporário, mas estas oligarquias precisam saber (…) que nada ou ninguém vai deter a Venezuela”, e que “seguiremos lutando no Mercosul”.

A Argentina assumiu nesta quarta-feira a presidência rotativa do Mercosul, em detrimento da Venezuela, em uma reunião extraordinária de chanceleres do bloco em Buenos Aires a qual Delcy Rodríguez não foi convidada mas forçou sua presença.

Apesar da decisão dos fundadores do Mercosul – Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai – a chanceler venezuelana reafirmou que Caracas se mantém na presidência do Bloco.

A suspensão imposta a Caracas foi aplicada por não haver incorporado à sua legislação uma série de medidas comerciais e políticas, incluindo o respeito aos direitos humanos.